SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.39 número4Fontes de energia em suplementos múltiplos para novilhos em pastejo durante o período das águasMudança na fermentação ruminal do alimento e na concentração sérica de minerais em animais mantidos em ambientes de alta temperatura índice de autoresíndice de assuntospesquisa de artigos
Home Pagelista alfabética de periódicos  

Serviços Personalizados

Journal

Artigo

Indicadores

Links relacionados

Compartilhar


Revista Brasileira de Zootecnia

versão On-line ISSN 1806-9290

Resumo

PAULA, Nelcino Francisco de et al. Frequência de suplementação e fontes de proteína para recria de bovinos em pastejo no período seco: desempenho produtivo e econômico. R. Bras. Zootec. [online]. 2010, vol.39, n.4, pp.873-882. ISSN 1806-9290.  http://dx.doi.org/10.1590/S1516-35982010000400024.

Dois experimentos foram conduzidos com o objetivo de avaliar os efeitos da frequência de suplementação com duas fontes proteicas sobre o desempenho produtivo e econômico e o consumo e a digestibilidade dos nutrientes em bovinos em pastejo sob suplementação durante o período seco do ano. Foram utilizados 20 animais anelorados, não-castrados com 10 meses de idade e peso médio inicial de 208,43 kg, distribuídos em quatro piquetes de capim-marandu (Brachiaria brizantha, cv. Marandu), cada um com 1,6 ha. Ambos os experimentos foram estruturados em arranjo fatorial 2 × 2, com dois suplementos (com farelo de soja e com farelo de algodão de alta energia) e duas frequências de suplementação (diariamente ou três vezes por semana). Não houve interação fontes proteicas × frequências de suplementação para nenhuma das características de desempenho produtivo e econômico. As fontes proteicas não influenciaram o ganho médio diário, mas a frequência de fornecimento afetou o desempenho, que foi melhor nos animais sob suplementação três vezes/semana (0,670 kg/dia). O maior retorno econômico foi obtido com a oferta do suplemento com farelo de algodão três vezes por semana. A frequência de suplementação afetou o consumo de nutrientes, enquanto a fonte proteica do suplemento teve efeito somente sobre o consumo de extrato etéreo, que foi maior nos animais que consumiram o suplemento com farelo de algodão. O suplemento com farelo de algodão alta energia proporcionou maior digestibilidade da proteína bruta da dieta. O fornecimento de suplemento três vezes por semana, além de reduzir os custos da suplementação, possibilita desempenho superior ao obtido com a suplementação diária. A utilização do farelo de algodão de alta energia em suplementos múltiplos em substituição ao farelo de soja é satisfatória, principalmente do ponto de vista econômico.

Palavras-chave : frequência de suplementação; ganho de peso; pastagem; suplemento.

        · resumo em Inglês     · texto em Português     · Português ( pdf epdf )

 

Creative Commons License Todo o conteúdo deste periódico, exceto onde está identificado, está licenciado sob uma Licença Creative Commons