SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.31 issue2Systematized physical activity and cognitive performance in elderly with Alzheimer's dementia: a systematic review author indexsubject indexarticles search
Home Pagealphabetic serial listing  

Services on Demand

Journal

Article

Indicators

Related links

Share


Brazilian Journal of Psychiatry

Print version ISSN 1516-4446On-line version ISSN 1809-452X

Abstract

ROCCA, Cristiana Castanho de Almeida; HEUVEL, Eveline van den; CAETANO, Sheila C.  and  LAFER, Beny. Reconhecimento de emoções faciais: artigo de revisão. Rev. Bras. Psiquiatr. [online]. 2009, vol.31, n.2, pp.171-180. ISSN 1516-4446.  http://dx.doi.org/10.1590/S1516-44462009000200015.

OBJETIVO: Revisão da literatura de estudos controlados publicados nos últimos 18 anos sobre déficits no reconhecimento de emoções no transtorno bipolar. MÉTODO: Foi realizada uma pesquisa bibliográfica no Medline, Lilacs, PubMed e ISI, selecionando-se o período de 1990 a junho de 2008. Foram incluídos apenas estudos controlados, que tivessem uma das amostras com mais de 10 participantes, totalizando 32 artigos. RESULTADOS: Bipolares eutímicos apresentaram prejuízo no reconhecimento de nojo e medo. Em mania, mostraram dificuldade para reconhecer medo e tristeza. Transtorno bipolar pediátrico e crianças de risco apresentam dificuldade para reconhecer emoções nos rostos de adultos e de crianças. Bipolares foram mais precisos para reconhecer emoções do que os pacientes esquizofrênicos. DISCUSSÃO: Pacientes com transtorno bipolar apresentam prejuízo no reconhecimento de nojo, medo e tristeza, os quais podem ser apenas em parte atribuídos ao estado de humor. No episódio maníaco, eles têm dificuldade para reconhecer medo e nojo. Entretanto, eles são mais precisos no reconhecimento de emoções do que pacientes deprimidos e esquizofrênicos. Crianças com transtorno bipolar apresentam tendência a julgar expressões faciais extremas como sendo de intensidade leve ou moderada. CONCLUSÃO: Déficits afetivos e cognitivos em bipolares sofrem variações dependendo do estado de humor. Estudos de seguimento, reavaliando pacientes após a remissão dos sintomas, são necessários para investigar se estas anormalidades refletem um estado ou traço da doença e se podem ser consideradas endofenótipos. Estudos futuros devem padronizar tarefas e metodologia.

Keywords : Transtorno bipolar; Expressão facial; Esquizofrenia; Depressão; Emoções manifestadas.

        · abstract in English     · text in English     · English ( pdf )

 

Creative Commons License All the contents of this journal, except where otherwise noted, is licensed under a Creative Commons Attribution License