SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.33 número1Paradoxo etário: uma análise feita por idosos brasileiros sobre o International Affective Picture System(IAPS)Preditores de recaída no segundo ano após terapia cognitivo-comportamental para pacientes com transtorno de pânico índice de autoresíndice de assuntospesquisa de artigos
Home Pagelista alfabética de periódicos  

Serviços Personalizados

Journal

Artigo

Indicadores

Links relacionados

Compartilhar


Revista Brasileira de Psiquiatria

versão impressa ISSN 1516-4446

Resumo

EIZIRIK, Mariana; SCHESTATSKY, Sidnei; KRUEL, Letícia  e  CEITLIN, Lúcia Helena Freitas. Contratransferência no atendimento inicial de mulheres vítimas de violência sexual. Rev. Bras. Psiquiatr. [online]. 2011, vol.33, n.1, pp.16-22.  Epub 02-Jul-2010. ISSN 1516-4446.  http://dx.doi.org/10.1590/S1516-44462010005000019.

OBJETIVO: Identificar os correlatos demográficos e clínicos associados com sentimentos contratransferenciais de terapeutas na primeira consulta de mulheres vítimas de violência sexual. MÉTODO: Quarenta pacientes foram atendidas por 26 terapeutas, ao longo de dois anos consecutivos, no Núcleo de Estudos e Tratamento do Trauma Psíquico do Hospital de Clínicas de Porto Alegre, Brasil. Após a primeira consulta com a paciente, o terapeuta preenchia a Escala para Avaliação da Contratransferência. Os pacientes foram avaliados com a Escala Davidson de Trauma, a Standardized Assessment of Personality - Abbreviated Scale, o Inventário de Depressão de Beck, e a versão em português do Defense Style Questionaire. RESULTADOS: Os terapeutas apresentaram predominantemente sentimentos de proximidade (Mean = 5,42, SD = 1,25) em comparação aos sentimentos de indiferença (Mean = 1,82, SD = 1,22) e de distanciamento (Mean = 1,57, SD = 1,08) [p < 0,001]. As análises multivariadas revelaram a ausência de associações entre os sentimentos contratransferenciais e características clínicas dos pacientes. O gênero dos terapeutas não influenciou o padrão de sentimentos contratransferenciais. No subgrupo de terapeutas mulheres, detectamos uma correlação inversa entre alta probabilidade de transtornos de personalidade nos pacientes e sentimentos de aproximação dos terapeutas. CONCLUSÃO: Não detectamos um padrão diferencial de sentimentos contratransferenciais associados com características clínicas específicas. Terapeutas de ambos os gêneros apresentaram um padrão similar de sentimentos de empatia em relação a mulheres vítimas de violência sexual, embora o gênero do terapeuta possa moderar os sentimentos evocados por pacientes com alta probabilidade de transtornos de personalidade.

Palavras-chave : Contratransferência; Violência; Abuso sexual; Trauma; Psicoterapia.

        · resumo em Inglês     · texto em Inglês     · Inglês ( pdf epdf )

 

Creative Commons License Todo o conteúdo deste periódico, exceto onde está identificado, está licenciado sob uma Licença Creative Commons