SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.12 número2Processo de implantação de Programa de Saúde Auditiva em duas maternidades públicasDesempenho de escolares bons leitores, com dislexia e com transtorno do déficit de atenção e hiperatividade em nomeação automática rápida índice de autoresíndice de assuntospesquisa de artigos
Home Pagelista alfabética de periódicos  

Serviços Personalizados

Journal

Artigo

Indicadores

Links relacionados

Compartilhar


Revista da Sociedade Brasileira de Fonoaudiologia

versão On-line ISSN 1982-0232

Resumo

PAGAN, Luciana de Oliveira  e  WERTZNER, Haydée Fiszbein. Análise acústica das consoantes líquidas do Português Brasileiro em crianças com e sem transtorno fonológico. Rev. soc. bras. fonoaudiol. [online]. 2007, vol.12, n.2, pp.106-113. ISSN 1982-0232.  http://dx.doi.org/10.1590/S1516-80342007000200007.

OBJETIVO: Descrever e comparar os formantes F1, F2 e F3 das líquidas /l, λ, r/ produzidos por crianças com e sem alterações de fala. MÉTODOS: Cinqüenta e nove crianças foram separadas em três grupos: Grupo Controle (GC), com ausência de alterações no desenvolvimento de fala e linguagem; Grupo Experimental 1 (GE1), apresentando o processo de simplificação de líquidas e/ou de simplificação do encontro consonantal; e Grupo Experimental 2 (GE2), com simplificação de líquidas e outros processos quaisquer. As crianças foram solicitadas a repetir as sílabas la, li, lu; λa, λi, λu e ra, ri, ru e os vocábulos /se’bola/, /’lãma/, /’miλu/, /ζaka’re/, /ζi’rafa/, /pa’λasu/ que foram armazenados diretamente no Computerized Speech Laboratory e analisados acústica e estatisticamente. RESULTADOS: O GC apresentou diferenças nítidas entre os três sons estudados em relação aos formantes. Os valores do F3 foram os que mais se modificaram entre os grupos. Os sons produzidos de forma distorcida não apresentaram diferenças significantes entre GE1 e GE2 e nas produções substituídas houve diferença somente na consoante /λ/ em relação ao F3. CONCLUSÕES: As alterações de líquidas encontradas nos sujeitos com transtorno fonológico tiveram características semelhantes, independentemente do fato de terem alterados outros sons da fala, associados ou não.

Palavras-chave : Acústica da fala; Transtornos do desenvolvimento de linguagem; Linguagem infantil; Distúrbios da fala; Qualidade da voz; Desenvolvimento infantil.

        · resumo em Inglês     · texto em Português     · Português ( pdf )

 

Creative Commons License Todo o conteúdo deste periódico, exceto onde está identificado, está licenciado sob uma Licença Creative Commons