SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.15 número2Achados audiológicos e queixas relacionadas à audição dos motoristas de ônibus urbanoAvaliação auditiva na Síndrome da Imunodeficiência Adquirida índice de autoresíndice de assuntospesquisa de artigos
Home Pagelista alfabética de periódicos  

Serviços Personalizados

Journal

Artigo

Indicadores

Links relacionados

Compartilhar


Revista da Sociedade Brasileira de Fonoaudiologia

versão On-line ISSN 1982-0232

Resumo

ANDRADE, Isabela Freixo Côrtes de  e  RUSSO, Iêda Chaves Pacheco. Relação entre os achados audiométricos e as queixas auditivas e extra-auditivas dos professores de uma academia de ginástica. Rev. soc. bras. fonoaudiol. [online]. 2010, vol.15, n.2, pp.167-173. ISSN 1982-0232.  http://dx.doi.org/10.1590/S1516-80342010000200004.

OBJETIVOS: Estudar as queixas auditivas e extra-auditivas de professores de uma academia de ginástica expostos à música eletronicamente amplificada, descrever os achados audiométricos e investigar a influência das variáveis, tempo de profissão, carga horária de trabalho e presença de entalhe audiométrico. MÉTODOS: Inicialmente, foi realizada a medida dos níveis de pressão sonora das seis salas de aula da academia (média 101,4 dB(A)). Em seguida, 32 professores foram avaliados por meio de anamnese e pesquisa dos limiares tonais por via aérea, e a presença de entalhe audiométrico foi investigada. RESULTADOS: Foi encontrada uma elevada porcentagem de professores (87,5%) com exposições extra-ocupacionais. As queixas mais frequentes foram: intolerância aos sons intensos (43,8%), tontura (12,5%); irritabilidade e nervosismo (28,1%); insônia (31,3%); dor de cabeça (37,5%); zumbido (12,5%); plenitude auricular (12,5%) e dificuldade de escutar às vezes (43,8%). Em relação aos achados audiométricos, 9,37% apresentaram alteração: 3,12% por perda neurossensorial bilateral e 6,25% queda nas frequências de 3000 Hz ou 4000 Hz. A frequência mais acometida pelo entalhe audiométrico foi 6000 Hz, sendo que 50% o apresentaram em, pelo menos, uma orelha. Não houve diferença estatisticamente significante na comparação entre o tempo de profissão, horas trabalhadas e queixas com os resultados do entalhe audiométrico. CONCLUSÃO: 68,75% dos professores apresentaram queixas extra-auditivas. Os resultados mostraram que apesar de ocorrer uma porcentagem pequena (9,37%) de perda auditiva na população estudada, já existe na metade dos professores entalhe audiométrico em pelo menos uma orelha.

Palavras-chave : Música; Ruído [efeitos adversos]; Perda auditiva provocada por ruído; Exposição ocupacional; Academias de ginástica.

        · resumo em Inglês     · texto em Português     · Português ( pdf )

 

Creative Commons License Todo o conteúdo deste periódico, exceto onde está identificado, está licenciado sob uma Licença Creative Commons