SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.15 número2Discriminação entre vozes adaptadas, levemente soprosas e tensas: diferenças entre os dois primeiros harmônicosCorrelação entre fechamento velofaríngeo e dimensões nasofaríngeas após cirurgia de retalho faríngeo avaliados por meio da técnica fluxo-pressão índice de autoresíndice de assuntospesquisa de artigos
Home Pagelista alfabética de periódicos  

Serviços Personalizados

Journal

Artigo

Indicadores

Links relacionados

Compartilhar


Revista da Sociedade Brasileira de Fonoaudiologia

versão On-line ISSN 1982-0232

Resumo

CORTES, Marcela Guimarães  e  GAMA, Ana Cristina Côrtes. Análise visual de parâmetros espectrográficos pré e pós-fonoterapia para disfonias. Rev. soc. bras. fonoaudiol. [online]. 2010, vol.15, n.2, pp.243-249. ISSN 1982-0232.  http://dx.doi.org/10.1590/S1516-80342010000200016.

OBJETIVO: Avaliar os efeitos da fonoterapia nos distúrbios da voz por meio de diferentes parâmetros acústicos pré e pós-fonoterapia. MÉTODOS: Trata-se de estudo experimental retrospectivo no qual se analisou as gravações de vozes de 67 indivíduos submetidos à reabilitação vocal. Os espectrogramas pré e pós-terapia fonoaudiológica foram julgados por quatro fonoaudiólogas. Os parâmetros para análise foram: forma do traçado, grau de escurecimento dos harmônicos, estabilidade do traçado dos harmônicos, presença de ruído, presença de harmônicos e de sub-harmônicos. Os dados obtidos foram submetidos a análise estatística, em que também se buscou observar a eventual diferença de padrões entre gêneros e diagnósticos. RESULTADOS: Não houve diferença estatisticamente significante entre a forma do traçado espectrográfico nas condições pré e pós-fonoterapia, porém a maioria dos pacientes (58%) obteve melhora. O grau de escurecimento manteve-se estável nas condições pré e pós-fonoterapia (p=0,000). Houve significativa melhora espectrográfica, após a fonoterapia, para os parâmetros de estabilidade do traçado (p=0,006), presença de ruído (p=0,007), harmônicos (p=0,000) e sub-harmônicos (p=0,001). Não houve relação entre o gênero do paciente e o grau de melhora espectrográfica. Em relação ao diagnóstico, apenas o parâmetro forma do traçado apresentou diferenças significativas. CONCLUSÃO: Apesar de não terem sido encontradas mudanças significativas em todos os parâmetros avaliados, a espectrografia acústica demonstrou ser um instrumento eficaz para avaliar a evolução da voz do paciente no processo terapêutico, sendo complementar à avaliação perceptivo-auditiva e fazendo parte de um protocolo multidimensional.

Palavras-chave : Disfonia [diagnóstico]; Voz; Distúrbios da voz [reabilitação]; Acústica da fala; Espectrografia do som; Fonoterapia.

        · resumo em Inglês     · texto em Português     · Português ( pdf )

 

Creative Commons License Todo o conteúdo deste periódico, exceto onde está identificado, está licenciado sob uma Licença Creative Commons