SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.15 número2Análise visual de parâmetros espectrográficos pré e pós-fonoterapia para disfoniasDescrição da dinâmica de alimentação de idosas institucionalizadas índice de autoresíndice de assuntospesquisa de artigos
Home Pagelista alfabética de periódicos  

Serviços Personalizados

Journal

Artigo

Indicadores

Links relacionados

Compartilhar


Revista da Sociedade Brasileira de Fonoaudiologia

versão On-line ISSN 1982-0232

Resumo

LANZIANI, Flávia Fernandes; YAMASHITA, Renata Paciello; FUKUSHIRO, Ana Paula  e  TRINDADE, Inge Elly Kiemle. Correlação entre fechamento velofaríngeo e dimensões nasofaríngeas após cirurgia de retalho faríngeo avaliados por meio da técnica fluxo-pressão. Rev. soc. bras. fonoaudiol. [online]. 2010, vol.15, n.2, pp.250-255. ISSN 1982-0232.  http://dx.doi.org/10.1590/S1516-80342010000200017.

OBJETIVO: Verificar se a área dos orifícios velofaríngeos obtida após o retalho faríngeo (RF) durante a respiração de repouso (AVFr) é um indicador do grau de fechamento velofaríngeo durante a fala (AVFf). MÉTODOS: Os sujeitos foram 62 pacientes com fissura de palato, associada ou não à fissura de lábio, de ambos os gêneros, com idades entre seis e 32 anos, submetidos ao RF há, pelo menos, 12 meses. AVFr e AVFf foram determinadas por meio da técnica fluxo-pressão. Valores de AVFr inferiores a 0,500 cm2 foram considerados subnormais. A AVFf foi classificada como adequada (0-0,049 cm2), marginal (0,050-0,199 cm2) ou inadequada (>0,200 cm2). A associação entre os valores de AVFr e AVFf pós-cirúrgicos foi analisada por meio de um modelo de regressão logística. RESULTADOS: Após o RF, 92% dos pacientes com valores de AVFr subnormais (<0,500 cm2) apresentaram fechamento velofaríngeo adequado. A proporção de pacientes com valores de AVFr normais (>0,500 cm2) e fechamento velofaríngeo adequado foi menor, porém ainda expressiva (55%). Não houve associação estatisticamente significante entre as duas variáveis. CONCLUSÃO: A maioria dos pacientes com retalho largo apresentou fechamento velofaríngeo adequado durante a fala. Entretanto, os resultados mostraram que as dimensões dos orifícios velofaríngeos durante a respiração de repouso não podem predizer a eficácia do retalho faríngeo para a fala.

Palavras-chave : Esfíncter velofaríngeo; Nasofaringe; Retalhos cirúrgicos; Período pós-operatório; Insuficiência velofaríngea [cirurgia]; Fissura palatina [cirurgia]; Rinomanometria; Respiração; Fala.

        · resumo em Inglês     · texto em Português     · Português ( pdf )

 

Creative Commons License Todo o conteúdo deste periódico, exceto onde está identificado, está licenciado sob uma Licença Creative Commons