SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.16 número2Perfil da saúde vocal de cantores amadores de igreja evangélicaAvaliação do nível de satisfação de usuários de aparelhos de amplificação sonora individuais dispensados pelo Sistema Único de Saúde índice de autoresíndice de assuntospesquisa de artigos
Home Pagelista alfabética de periódicos  

Serviços Personalizados

Journal

Artigo

Indicadores

Links relacionados

Compartilhar


Revista da Sociedade Brasileira de Fonoaudiologia

versão On-line ISSN 1982-0232

Resumo

MORETI, Felipe; ROCHA, Clara; BORREGO, Maria Cristina de Menezes  e  BEHLAU, Mara. Desvantagem vocal no canto: análise do protocolo Índice de Desvantagem para o Canto Moderno - IDCM. Rev. soc. bras. fonoaudiol. [online]. 2011, vol.16, n.2, pp.146-151. ISSN 1982-0232.  http://dx.doi.org/10.1590/S1516-80342011000200007.

OBJETIVO: Verificar a sensibilidade do protocolo italiano Modern Singing Handicap Index - MSHI, traduzido e culturalmente adaptado para o Português Brasileiro como Índice de Desvantagem para o Canto Moderno - IDCM, comparando os escores de coralistas amadores com e sem queixas vocais e de indivíduos não-cantores, de acordo com gênero, classificação vocal e atividades de canto. MÉTODOS: Duzentos e vinte e seis indivíduos adultos, com idades entre 16 e 66 anos, foram distribuídos em três grupos: 58 cantores com queixas vocais - CCQ; 112 cantores sem queixas vocais - CSQ e 56 indivíduos não cantores e sem queixas vocais - GNC. Os cantores foram selecionados em cinco coros universitários de música popular brasileira, a capella, regidos pelo mesmo maestro. Os indivíduos não cantores foram recrutados nas mesmas instituições dos cantores, com características demográficas semelhantes. Os indivíduos preencheram individualmente o IDCM, questionário com 30 itens divididos em três subescalas: incapacidade (domínio funcional), desvantagem (domínio emocional) e defeito (domínio orgânico). Os cantores também realizaram uma auto-avaliação de suas atividades de canto. RESULTADOS: A média dos escores do IDCM do CCQ (26,91) foi maior que a do o CSQ (16,61), e ambas maiores que a do GNC (7,79). Para os três grupos, a subescala defeito apresentou as maiores médias de escores, seguida por incapacidade e desvantagem. Não houve diferenças dos escores em relação ao gênero, classificação vocal e atividades de canto. CONCLUSÃO: O protocolo mostrou-se sensível para cantores modernos com problemas de voz. Coralistas com queixas vocais apresentaram maior desvantagem auto-relatada em relação aos sem queixas e não cantores. Aspectos de natureza orgânica destacaram-se com maiores desvios.

Palavras-chave : Voz; Qualidade de vida; Estudos de avaliação; Protocolos; Música; Saúde ocupacional; Questionários.

        · resumo em Inglês     · texto em Português | Inglês     · Português ( pdf ) | Inglês ( pdf )

 

Creative Commons License Todo o conteúdo deste periódico, exceto onde está identificado, está licenciado sob uma Licença Creative Commons