SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.16 número2Terapia de linguagem no espectro autístico: a interferência do ambiente terapêuticoAvaliação clínica da deglutição na doença de Chagas índice de autoresíndice de assuntospesquisa de artigos
Home Pagelista alfabética de periódicos  

Serviços Personalizados

Journal

Artigo

Indicadores

Links relacionados

Compartilhar


Revista da Sociedade Brasileira de Fonoaudiologia

versão On-line ISSN 1982-0232

Resumo

QUEIROZ, Moisés Andrade dos Santos de; ANDRADE, Izabella Santos Nogueira de; HAGUETTE, Renata Cavalcante Barbosa  e  HAGUETTE, Erik Frota. Avaliação clínica e objetiva da deglutição em crianças com paralisia cerebral. Rev. soc. bras. fonoaudiol. [online]. 2011, vol.16, n.2, pp.210-214. ISSN 1982-0232.  http://dx.doi.org/10.1590/S1516-80342011000200016.

OBJETIVO: Investigar as principais manifestações disfágicas na avaliação clínica e objetiva da deglutição em crianças com paralisia cerebral. MÉTODOS: Estudo transversal com amostra de 50 crianças com paralisia cerebral. A coleta de dados consistiu na realização das avaliações clínica fonoaudiológica e videoendoscópica da deglutição para a detecção das principais manifestações disfágicas presentes nas fases preparatória oral, oral e faríngea da deglutição, em diferentes consistências alimentares e tipos de paralisia cerebral. RESULTADOS: Não houve influência significativa da idade e do tipo de paralisia cerebral sobre a maior presença de manifestações disfágicas. As principais manifestações disfágicas na avaliação clínica foram: escape anterior de líquidos (70%); tosse na deglutição de líquidos (60%); diminuição da formação do bolo alimentar sólido (57,9%); presença de resíduos alimentares na cavidade oral após a deglutição de sólidos (47,4%); aumento do trânsito oral de pastosos grossos (47,1%) e presença da voz molhada após a deglutição de líquidos (30%). As principais manifestações disfágicas na avaliação objetiva foram: aumento do trânsito faríngeo de pastosos grossos (79%); escape posterior de líquidos (77,5%); presença de resíduos alimentares nas estruturas faríngeas após a deglutição de pastosos grossos (58,8%); penetração laríngea de líquidos (37,5%) e aspiração traqueal de líquidos (20%). A sensibilidade laríngea esteve alterada em apenas 16% da amostra. CONCLUSÃO: As avaliações clínica e objetiva da deglutição são complementares e essenciais no diagnóstico das disfagias orofaríngeas em crianças com paralisia cerebral.

Palavras-chave : Deglutição; Paralisia cerebral [complicações]; Transtornos da deglutição [diagnóstico]; Faringe [fisiopatologia]; Criança.

        · resumo em Inglês     · texto em Português     · Português ( pdf )

 

Creative Commons License Todo o conteúdo deste periódico, exceto onde está identificado, está licenciado sob uma Licença Creative Commons