SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.16 issue3Structural generalization after treatment based on different oppositions approaches author indexsubject indexarticles search
Home Pagealphabetic serial listing  

Services on Demand

Journal

Article

Indicators

Related links

Share


Revista da Sociedade Brasileira de Fonoaudiologia

On-line version ISSN 1982-0232

Abstract

CIELO, Carla Aparecida; ELIAS, Vanessa Santos; BRUM, Débora Meurer  and  FERREIRA, Fernanda Vargas. Músculo tiroaritenoideo e som basal: uma revisão de literatura. Rev. soc. bras. fonoaudiol. [online]. 2011, vol.16, n.3, pp.362-369. ISSN 1982-0232.  http://dx.doi.org/10.1590/S1516-80342011000300020.

O trabalho do fonoaudiólogo utiliza-se de exercícios vocais como o som basal (SB), que se origina da grande atividade contrátil do músculo laríngeo intrínseco tiroaritenoideo (TA). O objetivo deste estudo foi revisar a literatura relacionada ao TA e ao SB. Realizou-se levantamento bibliográfico dos últimos 20 anos sobre o assunto nas bases de dados LILACS, SciELO, PubMed, Web of Science e Google Scholar. Verificou-se que o feixe interno do TA apresenta fibras de contração lenta, isotônicas, resistentes à fadiga; o feixe externo apresenta fibras de contração rápida, fatigáveis, isométricas. O SB caracteriza-se pela percepção dos pulsos de vibração glótica durante a emissão nas frequências mais graves da tessitura vocal (crepitação em graves ou vocal fry), principalmente pela ação do TA, especialmente sua porção interna, que se encurta de forma evidente, soltando a mucosa em grande volume ao longo da borda livre, aumentando a pressão subglótica e os níveis de jitter, shimmer e ruído, e reduzindo o fluxo aéreo. Com base na literatura, a exercitação isométrica do TA externo ocorreria com o SB sustentado na frequência mais grave possível ao sujeito (contração máxima), durante seis segundos, de cinco a dez vezes diárias, compatível com o predomínio de fibras de contração rápida. Na exercitação isotônica do TA interno, utilizar-se-iam sons agudos para estirá-lo, alternando emissões em SB (contração concêntrica) e em registro modal de cabeça ou em falsete (sons hiperagudos) (contração excêntrica), com várias séries diárias de oito a 12 repetições, compatível com o predomínio de fibras de contração lenta.

Keywords : Voz [fisiologia]; Músculos laríngeos [fisiologia]; Fonação [fisiologia]; Reabilitação; Fonoterapia.

        · abstract in English     · text in English | Portuguese     · English ( pdf epdf ) | Portuguese ( pdf epdf )

 

Creative Commons License All the contents of this journal, except where otherwise noted, is licensed under a Creative Commons Attribution License