SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.25 issue1Acute Myelogenous Leukemia: two decades overview - Hematology Service Hospital de Clínicas de Porto Alegre - RS author indexsubject indexarticles search
Home Pagealphabetic serial listing  

Revista Brasileira de Hematologia e Hemoterapia

Print version ISSN 1516-8484

Abstract

DORO, Maribel P.; PASQUINI, Ricardo  and  LOHR, Suzane S.. Avaliação funcional dos adolescentes que se submetem a transplante de medula óssea. Rev. Bras. Hematol. Hemoter. [online]. 2003, vol.25, n.1, pp. 5-15. ISSN 1516-8484.  http://dx.doi.org/10.1590/S1516-84842003000100003.

O estudo teve por objetivo analisar o desempenho físico (Escala de Desempenho de Karnofsky ou de Lansky), assim como o desempenho sociofamiliar, emocional, funcional, relacionamento médico/paciente e preocupações adicionais (Escala de Avaliação Funcional para Terapia de Câncer - Transplante de Medula Óssea - FACT-BMT) de todos os adolescentes (13 a 20 anos) submetidos a transplante no Serviço de Transplante de Medula Óssea do Hospital de Clínicas da Universidade Federal do Paraná, (STMOHC- UFPR) no período de janeiro a dezembro de 1999. Inicialmente eram 13 pacientes (sete homens, seis mulheres); quatro com diagnóstico prévio de patologia neoplásica e nove não-neoplásica, levando em conta que todos foram submetidos a transplante alogênico. Os instrumentos de coleta de dados foram aplicados em dois momentos: durante o mês que antecedeu o transplante e no centésimo dia após o mesmo. Três pacientes do grupo inicial foram a óbito antes da segunda coleta. Assim, apenas dez completaram as duas etapas da avaliação e constituíram a amostra de análise (n= 10). A avaliação dos resultados demonstrou que 4/10 dos pacientes apresentaram melhoras em relação ao desempenho físico (resultados da Escala de Desempenho de Karnofsky e de Lansky), no entanto 9/10 relataram dificuldades para reassumir as atividades regulares (profissional, educacional e domésticas), resultados da FACT-BMT. Os demais tópicos avaliados demonstraram oscilações do pré para o pós-TMO, porém de baixa amplitude e sem diferença estatística significativa. Pode-se concluir que a intervenção em si compromete parcialmente a qualidade de vida dos pacientes. No entanto, é preciso considerar o fato da avaliação ter sido realizada no período em que os pacientes ainda estavam sob tratamento médico contínuo, uma vez que esta contextualização é uma variável interferente. Assim, estudos futuros devem ocorrer para avaliar a evolução longitudinal desse processo.

Keywords : Transplante de medula óssea; qualidade de vida.

        · abstract in English     · text in English     · pdf in English