SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.31 número3Uso da fluorescência de raios X portátil (XRF) in vivo como técnica alternativa para acompanhamento dos níveis de ferro em pacientes com sobrecarga de ferroAnálise de pacientes com leucemia mieloide crônica com resistência primária ou secundária ao mesilato de imatinibe índice de autoresíndice de assuntospesquisa de artigos
Home Pagelista alfabética de periódicos  

Revista Brasileira de Hematologia e Hemoterapia

versão impressa ISSN 1516-8484

Resumo

NOVARETTI, Marcia C. Z. et al. Dez anos de experiência em controle de qualidade em imuno-hematologia. Rev. Bras. Hematol. Hemoter. [online]. 2009, vol.31, n.3, pp. 160-165.  Epub 03-Jul-2009. ISSN 1516-8484.  http://dx.doi.org/10.1590/S1516-84842009005000052.

A medicina transfusional tem como objetivo garantir a qualidade e quantidade do sangue, componentes e serviços oferecidos à comunidade, e, dentro desse contexto, a análise dos reagentes imuno-hematológicos é crítica para a realização dos testes pré-transfusionais e, consequentemente, uma transfusão segura. É responsabilidade do controle de qualidade o constante aperfeiçoamento de testes que analisam a qualidade dos reagentes e equipamentos utilizados. Esse trabalho tem por objetivo apresentar os resultados alcançados em dez anos de experiência do Departamento de Controle de Qualidade em Imuno-hematologia da Fundação Pró-Sangue / Hemocentro de São Paulo. No período de janeiro de 1997 a dezembro de 2007 foram realizadas análises em 3.417 reagentes imuno-hematológicos por ocasião da aquisição do reagente e por solicitação de reavaliação (durante o uso). As análises incluíram desde a inspeção visual no recebimento a testes laboratoriais específicos para cada tipo de reagente. Dos 3.417 lotes analisados (média=310/ano, mediana=252/ano), 94 (2,7%) foram reprovados (média=8,54/ano, mediana=7,00 ± 7,79/ano). Uma vez aprovado pelo controle de qualidade à aquisição, nenhum reagente imunohematológico foi reprovado durante o uso desde 2004. Podemos concluir que, para implementação de um sistema de controle de qualidade de reagentes imuno-hematológicos, não é necessário uso de reagentes ou equipamentos altamente especializados, pois os mesmos são utilizados na rotina laboratorial, como também não envolvem alta complexidade na execução das análises. Podemos enfim considerar que a implementação do controle de qualidade em Imuno-hematologia contribui para o aumento da segurança transfusional e é factível de realização nos mais diferentes níveis de complexidade dos serviços hemoterápicos.

Palavras-chave : Qualidade; reagentes; hemoterapia; grupos sanguíneos; transfusão.

        · resumo em Inglês     · texto em Português     · pdf em Português