SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.31 número6A prática transfusional e a formação dos profissionais de saúdeContagem de plaquetas: avaliação de metodologias manuais e aplicação na rotina laboratorial índice de autoresíndice de assuntospesquisa de artigos
Home Pagelista alfabética de periódicos  

Serviços Personalizados

Journal

Artigo

Indicadores

Links relacionados

Compartilhar


Revista Brasileira de Hematologia e Hemoterapia

versão impressa ISSN 1516-8484

Resumo

ALVES, João Guilherme B.; PONTES, Clarissa M. A.  e  LINS, Mecneide M.. Excesso de peso em crianças e adolescentes sobreviventes de leucemia linfoide aguda: estudo de coorte. Rev. Bras. Hematol. Hemoter. [online]. 2009, vol.31, n.6, pp.427-431.  Epub 27-Nov-2009. ISSN 1516-8484.  http://dx.doi.org/10.1590/S1516-84842009005000086.

A leucemia linfoide aguda (LLA) é a neoplasia maligna mais comum na infância. A taxa de cura é hoje em torno de 80% e entre os sobreviventes tem sido descrito um aumento de risco de obesidade. Entretanto, não há estudos sobre esse risco em países em desenvolvimento, especialmente naqueles que atravessam um momento de transição nutricional, como o Brasil. O objetivo do estudo foi verificar a frequência de excesso de peso em crianças e adolescentes sobreviventes de leucemia linfoide aguda. Foi realizado um estudo de coorte retrospectivo com 101 crianças e 19 adolescentes sobreviventes de leucemia linfoide aguda. Todos esses pacientes foram tratados no Instituto de Medicina Integral Prof. Fernando Figueira (IMIP), entre os anos de 1998 e 2002. O seguimento foi de quatro anos e meio, sendo o índice de massa corpórea (IMC) calculado no momento do diagnóstico, ao final de tratamento e dois anos após o término da terapia. A idade média do diagnóstico foi de 4,6 (2,1) anos nas crianças e de 12,2 (1,9) anos nos adolescentes. O tempo de tratamento foi de 2,6 (1,0) anos. O IMC aumentou de 16,1 (2,3) para 19,1 (3,5) após o tratamento; p<0.001. A frequência de excesso de peso passou de 17/120 (14,2%) para 55/120 (45,8%) após o tratamento; p < 0,001. Não houve variações significativas da frequência de excesso de peso e do IMC, entre o término do tratamento e dois anos após: 55/120 (45,8%) vs 46/120 (38,3%), p = 0,295, e IMC de 19,1 (3,5) vs 19,4 (3,5); p = 0,178. O tratamento da leucemia linfoide aguda aumenta o risco de excesso de peso entre as crianças e adolescentes sobreviventes.

Palavras-chave : Leucemia; sobrepeso; obesidade; sobreviventes.

        · resumo em Inglês     · texto em Português     · Português ( pdf )

 

Creative Commons License Todo o conteúdo deste periódico, exceto onde está identificado, está licenciado sob uma Licença Creative Commons