SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.39 número1Avaliação comparative dos métodos Nitrato Redutase e Microdiluição com Resazurina para testar a sensibilidade do Mycobacterium tuberculosis frente aos anti-tuberculosos de primeira linhaEstudo de caso: dermatofitose disseminada por microsporum gypseum em paciente com lúpus eritematoso sistêmico índice de autoresíndice de assuntospesquisa de artigos
Home Pagelista alfabética de periódicos  

Serviços Personalizados

Journal

Artigo

Indicadores

Links relacionados

Compartilhar


Brazilian Journal of Microbiology

versão impressa ISSN 1517-8382versão On-line ISSN 1678-4405

Resumo

CEZARINO, Bruno Nicolino et al. Diagnóstico de sepse neonatal causada pelo estreptococo do grupo B por meio de dupla amplificação de amostras residuais de urina. Braz. J. Microbiol. [online]. 2008, vol.39, n.1, pp.21-24. ISSN 1517-8382.  http://dx.doi.org/10.1590/S1517-83822008000100005.

O estreptococo do grupo B (GBS) constitui a causa mais freqüente de sepse neonatal precoce. O teste de referência continua sendo o isolamento em cultura, apesar de apresentar problemas de sensibilidade. O objetivo do presente estudo foi validar uma técnica de dupla amplificação e determinar a possibilidade do uso de amostras residuais de urina colhidas por método não invasivo, não estéril, para a confirmação da sepse por GBS em recém-nascidos. As amostras foram amplificadas com primers do principal gene de superfície do GBS. A insuficiência de volume de material biológico para a realização de exames para suporte de vida, além de outros necessários à identificação do agente etiológico de infecções é muito freqüente em recém-nascidos. Mesmo assim, decidimos definir critérios bastante rigorosos para a inclusão de pacientes na casuística: os recém-nascidos deveriam apresentar sinais e sintomas compatíveis com infecção pelo GBS; deveriam ter tido ao menos uma amostra enviada para cultura, podendo ser sangue, urina ou líquor; disponibilidade de volumes residuais dessas amostras, ou de outras colhidas no dia da hospitalização, antes da introdução da antibioticoterapia, de forma a possibilitar a análise por PCR, e evolução favorável com a antibioticoterapia empírica. Em apenas um dos quatro recém-nascidos a infecção foi confirmada por cultura, enquanto nos outros três casos a infecção foi considerada presuntiva (pacientes preencheram os critérios de inclusão, mas o GBS não foi isolado). De um total de 12 amostras dos quatro pacientes (5 de sangue, 3 de líquor e 4 de urina), 8 foram testadas por cultura (2 foram positivas), 8 foram testadas por PCR (7 foram positivas), e apenas 4 pelos dois métodos simultaneamente (1 positiva por cultura e 3 por PCR). Concluímos que apesar do número restrito de pacientes e de amostras testadas, os resultados apresentados sugerem que a amplificação proposta poderia ser usada para o diagnóstico de sepse pelo GBS, uma vez que a amplificação foi possível nos três tipos de materiais biológicos testados (sangue, urina e líquor), e a PCR foi mais sensível que as culturas por ter conseguido confirmar a infecção na urina dos quatro pacientes, usando volumes residuais de amostras colhidas por método não invasivo, não estéril, o que é tecnicamente adequado uma vez que o GBS não faz parte da flora normal da urina, evitando procedimentos invasivos, tais como a punção supra-púbica da bexiga ou a cateterização transuretral. Ao mesmo tempo, o uso de urina em lugar de sangue ajuda a prevenir a espoliação sangüínea dos recém-nascidos.

Palavras-chave : Estreptococo do grupo B; sepse neonatal; sepse neonatal precoce; infecção neonatal; PCR; dupla amplificação.

        · resumo em Inglês     · texto em Inglês     · Inglês ( pdf )

 

Creative Commons License Todo o conteúdo deste periódico, exceto onde está identificado, está licenciado sob uma Licença Creative Commons