SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.6 issue6Actions of sitting and rising from the ground are negatively affected by overweight author indexsubject indexarticles search
Home Pagealphabetic serial listing  

Revista Brasileira de Medicina do Esporte

Print version ISSN 1517-8692

Abstract

SOUZA, Eva Cantalejo Munhoz Stadler de et al. Teste cardiopulmonar do exercício na prática clínica. Rev Bras Med Esporte [online]. 2000, vol.6, n.6, pp. 249-254. ISSN 1517-8692.  http://dx.doi.org/10.1590/S1517-86922000000600005.

O teste cardiopulmonar do exercício (CPX) apresenta-se como uma metodologia de grande utilidade diagnóstica e prognóstica. O presente estudo teve por objetivo demonstrar que os dados obtidos em laboratório fora do ambiente hospitalar comportam-se como os dados descritos na literatura, com aplicabilidade na prática clínica em nosso meio. METODOLOGIA: Trata-se de um relato de experiência, através da análise retrospectiva dos casos. O CPX foi realizado em condições de laboratório controladas, com bocal e clipe nasal, protocolo de rampa em esteira rolante e eletrocardiograma de 13 canais. RESULTADOS: Entre os 261 testes, 53,3% eram em homens, idade média de 48,2 ± 14,3 anos; ativos (45,2%) ou sedentários (34,5%). A capacidade aeróbia máxima foi superior e com declínio significativo para cada década de aumento na faixa etária entre os homens, enquanto nas mulheres o declínio significativo ocorreu entre os 30 e 60 anos. As mulheres apresentaram maior distribuição (p = 0,0006) nas classes funcionais "em programa de treinamento ou bem treinadas e motivadas". O consumo de oxigênio pico (O2) foi significativamente superior nos testes máximos, mas o O2 do limiar anaeróbio (O2LA) não apresentou diferenças significativas, quando o teste obtido foi máximo ou submáximo. A capacidade funcional, avaliada pelo O2LA como porcentagem do O2 máximo previsto, comparado à porcentagem do O2 máximo atingido, classificou mais indivíduos com compromisso circulatório (p = 0,002) ou com menor aptidão física em comparação com pacientes ativos ou em programa de treinamento (p < 0,00001), exceto quando entre 50,0 e 59,0%, em que o critério empregado não influenciou a classificação funcional (p = 0,221). Não haver atingido 85,0% do O2 máximo previsto foi a causa mais comum de anormalidade, mais freqüente e significativo entre as mulheres. CONCLUSÃO: Os dados obtidos são comparáveis aos descritos na literatura, sugerindo que o CPX é uma metodologia factível, que poderia ser empregada rotineiramente na prática clínica em nosso meio.

Keywords : Ergoespirometria; Teste cardiopulmonar do exercício; prova ergométrica multiparamétrica.

        · abstract in English     · text in Portuguese     · pdf in Portuguese