SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.13 issue5Relationship between physiological indicators obtained in ergospirometry test in cycle ergometer of upper extremities and performance in canoeingCardiovascular effects of smoking abstinence at rest and during submaximal exercise in young female smokers author indexsubject indexarticles search
Home Pagealphabetic serial listing  

Revista Brasileira de Medicina do Esporte

Print version ISSN 1517-8692

Abstract

PEREIRA, Marta Inez Rodrigues; GOMES, Paulo Sergio Chagas  and  BHAMBHANI, Yagesh. Número máximo de repetições em exercícios isotônicos: influência da carga, velocidade e intervalo de recuperação entre séries. Rev Bras Med Esporte [online]. 2007, vol.13, n.5, pp. 287-291. ISSN 1517-8692.  http://dx.doi.org/10.1590/S1517-86922007000500002.

INTRODUÇÃO: Pouco se sabe sobre o efeito da velocidade de execução e do intervalo entre séries sobre o desempenho no exercício contra-resistência. OBJETIVO: Comparar o número máximo de repetições até a fadiga voluntária (REPS) na cadeira extensora com o joelho dominante para diferentes cargas, velocidades e intervalos entre séries. MÉTODOS: Nove voluntários (35,8 ± 10,8 anos; 74,2 ± 16,7kg; 171,0 ± 10,0cm) reportaram ao laboratório para determinação de 1RM e REPS em seis situações, determinadas aleatoriamente e separadas por no mínimo 48h: uma série com 60% 1RM a 80°•s1 e 25°•s-1; uma série com 80% 1RM a 25°•s1; três séries com 80% 1RM a 80°•s-1 e intervalos de 3 min, 1 min e naquele que permitisse a estabilização da oxigenação muscular (RMox), medida por espectroscopia no infravermelho próximo. RESULTADOS: O teste t dependente mostrou que REPS foi significativamente (p < 0,05) maior na carga leve que na pesada, nas velocidades lenta (leve = 8,8 ± 1,3; pesada = 5,9 ± 0,9) e rápida (leve = 16,3 ± 3,9; pesada = 9,4 ± 1,9), e significativamente maior na velocidade rápida que na lenta, para ambas as cargas. A ANOVA 3x3 não mostrou diferença entre os intervalos na série 1 (3 min = 9,4 ± 1,9; 1 min = 10,8 ± 3,2; RMox = 10,1 ± 3,0), porém, houve diferenças significativas nas séries 2 e 3 entre 3 min (série 2 = 7,0 ± 1,7; série 3 = 6,4 ± 1,3) e 1 min (série 2 = 5,6 ± 1,1; série 3 = 4,8 ± 1,2), mas não entre RMox (série 2 = 6,4 ± 1,7; série 3 = 6,1 ± 1,5) e os demais intervalos. Nos três intervalos, REPS na série 1 foi significativamente maior que nas demais. CONCLUSÕES: O desempenho no exercício contra-resistência é afetado pela carga, velocidade e intervalo entre séries e é independente da recuperação em oxigenação muscular. A prescrição do exercício e a avaliação do desempenho devem levar essas variáveis em consideração frente aos objetivos propostos.

Keywords : Intensidade; Extensão de joelho; Fadiga; Oxigenação muscular.

        · abstract in English     · text in English | Portuguese     · pdf in English | Portuguese