SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.13 número6Alterações hidroeletrolíticas agudas ocorridas no Triatlon Ironman BrasilInfluência do alongamento passivo em três repetições de 30 segundos a cada 48 horas em músculo sóleo imobilizado de ratos índice de autoresíndice de assuntospesquisa de artigos
Home Pagelista alfabética de periódicos  

Serviços Personalizados

Journal

Artigo

Indicadores

Links relacionados

Compartilhar


Revista Brasileira de Medicina do Esporte

versão impressa ISSN 1517-8692versão On-line ISSN 1806-9940

Resumo

LIRA, Fábio Santos de; OLIVEIRA, Rodrigo da Silva Fermino de; JULIO, Ursula Ferreira  e  FRANCHINI, Emerson. Consumo de oxigênio pós-exercícios de força e aeróbio: efeito da ordem de execução. Rev Bras Med Esporte [online]. 2007, vol.13, n.6, pp.402-406. ISSN 1806-9940.  https://doi.org/10.1590/S1517-86922007000600009.

O treinamento concorrente é uma estratégia que vem sendo utilizada na intenção de maximizar o gasto energético tanto durante quanto após o exercício por meio do EPOC (excesso do consumo de oxigênio pós-exercício).  No entanto, pouco se sabe sobre a influência da ordem de execução sobre o EPOC. O objetivo do presente estudo foi verificar a influência do tipo (aeróbio, força e concorrente) e da ordem (aeróbio + força ou força + aeróbio) do exercício sobre o EPOC. A amostra foi constituída por oito homens (idade: 24 ± 2 anos; massa corporal: 75,4 ± 3,7kg; e estatura: 179 ± 3,0cm), voluntários, com experiência em treinamento de força e aeróbio. Os sujeitos foram submetidos a um teste para a determinação do VO2pico (57,0 ± 2,9ml/kg/min) e teste de 1-RM para os exercícios de supino reto (68 ± 2kg), puxador costas (64 ± 3kg), cadeira extensora (51 ± 3kg) e mesa flexora (38 ± 3kg). O treino aeróbio foi realizado durante 30 minutos a 90% da velocidade correspondente ao limiar anaeróbio (10,3 ± 2,2km). O treino de força foi realizado a 70% de 1RM, dividido em três séries de 12 movimentos. O consumo de oxigênio (VO2) foi medido em repouso (R) e após as seguintes sessões: aeróbio (A), força (F), aeróbio-força (A + F) e força-aeróbio (F + A), utilizando calorimetria indireta durante 30 minutos, os quais foram divididos em três intervalos de tempo: T1 (0 a 10 minutos), T2 (11 a 20 minutos) e T3 (21 a 30 minutos).  A comparação do VO2 entre as diferentes situações (R, A, F, A + F e F + A) para cada um dos períodos de tempo (0-10, 11-20; 21-30 min) foi realizada a partir de uma ANOVA a um fator com medidas repetidas, seguida por teste de Tukey. Em T1, o VO2 das diferentes sessões foi maior que o de R. Durante T2, o VO2 das situações F, A + F e F + A foi superior ao de R. Em T3, somente A + F resultou em EPOC. Os resultados indicam que a ordem de execução influenciou o tempo de EPOC. Contudo, o gasto calórico decorrente do EPOC é bastante reduzido (≅ 15kcal).

Palavras-chave : Treinamento concorrente; EPOC; Gasto energético.

        · resumo em Inglês     · texto em Português     · Português ( pdf )

 

Creative Commons License Todo o conteúdo deste periódico, exceto onde está identificado, está licenciado sob uma Licença Creative Commons