SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.15 issue1Physical activity practice in adolescence and prevalence of osteoporosis in adulthoodPrevalence of injuries and associated factors among street runners author indexsubject indexarticles search
Home Pagealphabetic serial listing  

Revista Brasileira de Medicina do Esporte

Print version ISSN 1517-8692

Abstract

PALACIO, Evandro Pereira; CANDELORO, Bruno Moreira  and  LOPES, Aline de Almeida. Lesões nos jogadores de futebol profissional do Marília Atlético Clube: estudo de coorte histórico do campeonato brasileiro de 2003 a 2005. Rev Bras Med Esporte [online]. 2009, vol.15, n.1, pp. 31-35. ISSN 1517-8692.  http://dx.doi.org/10.1590/S1517-86922009000100007.

INTRODUÇÃO E OBJETIVOS: Vários autores têm investigado a incidência de lesões no futebol, poucos têm-se preocupado com o tempo de afastamento dos atletas ou com os prejuízos financeiros oriundos de tal situação. O objetivo deste estudo foi confrontar, através de um estudo de coorte histórico, o tempo total de afastamento de atletas lesionados com as variáveis: idade, posição dos jogadores e tipo de lesão. MÉTODOS: Foram analisados os jogadores de futebol profissional do Marília Atlético Clube que atuaram no Campeonato Brasileiro de Futebol - Série B, de 2003 a 2005. As informações foram coletadas através do acesso direto aos prontuários médicos e protocolo de coleta de dados, com um período de seguimento de 24 meses, sendo, posteriormente, realizada a análise estatística. RESULTADOS: A idade dos jogadores variou de 18 a 35 anos (24,5 ± 4,4); os jogadores mais freqüentemente lesionados foram: atacantes (36,8%), zagueiros (26,6%), meias (20%), laterais (10%) e goleiros (6,6%); as lesões mais comuns foram: musculares (46,8%), ligamentares (26,6%), ósseas (16,6%) e meniscais (10%); o tempo de afastamento nos atacantes variou de 10 a 240 dias (28 ± 78,3), nos zagueiros de 20 a 120 dias (26,5 ± 33,9), nos meias de 10 a 180 dias (18,5 ± 66,3), nos laterais de 13 a 240 dias (17 ± 129,9) e nos goleiros de 35 a 60 dias (47,5 ± 17,6). CONCLUSÃO: A análise estatística mostrou não haver correlação entre a idade dos jogadores e o tempo total de afastamento dos mesmos (p = 0,31), não houve diferença significativa entre o tempo de afastamento nas diferentes posições dos jogadores dentro de campo (p = 0,49), houve diferença significativa entre o tempo total de afastamento e os diferentes tipos de lesão (p < 0,001) entre as variáveis: lesões meniscais e ósseas, lesões meniscais e musculares, lesões ligamentares e ósseas e, finalmente, lesões ligamentares e/ musculares.

Keywords : medicina esportiva; lesões no futebol; epidemiologia do futebol; campeonato brasileiro de futebol.

        · abstract in English     · text in Portuguese     · pdf in Portuguese