SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.15 issue2Effects of physical exercise in the Ampkα expression and activity in high-fat diet induced obese ratsInfluence of the time interval between stretching sessions on increased hamstring flexibility author indexsubject indexarticles search
Home Pagealphabetic serial listing  

Revista Brasileira de Medicina do Esporte

Print version ISSN 1517-8692

Abstract

GREGO NETO, Anselmo  and  MANFFRA, Elisangela Ferretti. Influência do volume de alongamento estático dos músculos isquiotibiais nas variavéis isocinéticas. Rev Bras Med Esporte [online]. 2009, vol.15, n.2, pp. 104-109. ISSN 1517-8692.  http://dx.doi.org/10.1590/S1517-86922009000200004.

A realização de alongamento muscular antes de treinamentos e competições está enraizada na cultura dos profissionais que trabalham com prescrição de exercício. Acredita-se no alongamento como forma de aprimoramento do desempenho e prevenção de lesões. No entanto, muitos estudos têm mostrado que o alongamento pode produzir efeitos deletérios na capacidade de produção de força muscular. Algumas questões relevantes nesse contexto relacionam-se com o volume de alongamento necessário para produzir déficits de força e com os mecanismos fisiológicos responsáveis pelos mesmos. A proposta deste estudo foi investigar as alterações no desempenho isocinético do grupo muscular dos isquiotibiais mediante dois protocolos de alongamento estático com diferentes volumes. Trinta e seis voluntários adultos do sexo masculino foram distribuídos em três grupos: E1, E2 e C. Todos os participantes realizaram um aquecimento sistêmico e depois foram submetidos a avaliações da amplitude de movimento ativa (ADM) de flexão do quadril e isocinética. Aos participantes dos grupos E1 e E2 foram aplicados protocolos de alongamento estático com volumes de 180s (4 x 45s) e 360s (8 x 45s), respectivamente, e estes foram novamente avaliados. Os participantes do grupo C foram submetidos à segunda avaliação, após permanecer em repouso pelo tempo de 270s. As variáveis avaliadas foram a ADM, o pico de torque (PT), o trabalho máximo (TM) e o trabalho total (TT). Observou-se que ambos os protocolos promoveram aumento da ADM, mas as variáveis PT e TM sofreram déficits somente no grupo E2. A variável TT, no entanto, manteve-se inalterada nos grupos E1 e E2. Os resultados sugerem, portanto, que as alterações na rigidez muscular, que causaram ganhos na ADM, não seriam as únicas responsáveis pelos déficits de força. Além disso, conclui-se que a capacidade máxima de produção de força é dependente do volume de alongamento, mas a produção de trabalho ao longo de algumas repetições não é.

Keywords : força muscular; torque; amplitude de movimento; exercícios de alongamento muscular; dinamômetro.

        · abstract in English     · text in Portuguese     · pdf in Portuguese