SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.15 issue4Comparison of the cardiorespiratory variables of obese and non-obese adolescents on treadmill and ergometric bicycleTachycardic response and autonomic control in physical exercise in genetic model of cardiac insufficiency author indexsubject indexarticles search
Home Pagealphabetic serial listing  

Revista Brasileira de Medicina do Esporte

Print version ISSN 1517-8692

Abstract

GRAMS, Samantha Torres et al. Marcha de pacientes com doença arterial obstrutiva periférica e claudicação intermitente. Rev Bras Med Esporte [online]. 2009, vol.15, n.4, pp. 255-259. ISSN 1517-8692.  http://dx.doi.org/10.1590/S1517-86922009000500004.

INTRODUÇÃO: Pacientes com doença arterial obstrutiva periférica (DAOP) e claudicação intermitente (CI) apresentam prejuízo no desempenho de caminhada e alterações nos parâmetros espaço-temporais da marcha, mesmo na ausência de dor. OBJETIVO: Analisar os parâmetros espaço-temporais da marcha de pacientes com DAOP e CI participantes de programa de reabilitação. MÉTODOS: A amostra foi constituída por 12 pacientes com DAOP e CI, sendo 75% do sexo masculino e idade média de 63,3 ± 8,6 anos. Todos os pacientes participavam de programa de reabilitação e apresentavam melhora no desempenho de caminhada após os tratamentos; sete foram avaliados em longo prazo (de seis a 24 meses) e cinco em curto prazo (dois meses). Velocidade, comprimento da passada e cadência foram analisados antes e logo após o início da claudicação em pista de 6m de papel. A claudicação foi induzida por meio de caminhada em esteira ergométrica. As avaliações foram realizadas ao final dos tratamentos e analisadas inter e intragrupos. RESULTADOS: Velocidade de marcha (1,06m/s ± 0,29 vs 1,10m/s ± 0,06), comprimento da passada (1,34m ± 0,27 vs 1,33m ± 0,11) e cadência (93,81 passos/min ± 7,20 vs 99,84 passos/min ± 8,99) foram similares entre os grupos tratados em curto e em longo prazos (p > 0,05). Na avaliação intragrupos, ocorreu diminuição significativa no comprimento da passada dos pacientes tratados em curto prazo após a indução da claudicação (1,34m ± 0,27 vs 1,09m ± 0,03), com p = 0,05. CONCLUSÃO: Não ocorreram diferenças significativas nos parâmetros espaço-temporais da marcha entre os grupos. As características da marcha persistem, inclusive na ausência da dor e com a melhora do desempenho de caminhada, em pacientes participantes de programa de reabilitação.

Keywords : aterosclerose; claudicação intermitente; reabilitação; marcha.

        · abstract in English     · text in Portuguese     · pdf in Portuguese