SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.15 issue4Incidence of injuries in brazilian sailors of different technical levelsEvolution of oxidative stress biomarkers and correlation with competitive performance in two moments of the swimming training season author indexsubject indexarticles search
Home Pagealphabetic serial listing  

Revista Brasileira de Medicina do Esporte

Print version ISSN 1517-8692

Abstract

TANK, Flávia Fernandes; SILVA, Gustavo Telles da; OLIVEIRA, Carlos Gomes de  and  GARCIA, Marco Antonio Cavalcanti. Influência da distância intereletrodos e da cadência de movimento no domínio da frequência do sinal de EMG de superfície. Rev Bras Med Esporte [online]. 2009, vol.15, n.4, pp. 272-276. ISSN 1517-8692.  http://dx.doi.org/10.1590/S1517-86922009000500008.

A eletromiografia de superfície (sEMG), apesar de amplamente utilizada em investigações biomecânicas, ainda apresenta inúmeros questionamentos sobre a influência das distâncias intereletrodos (DIE) na morfologia do sinal, principalmente em contrações isotônicas. Logo, muitos dos trabalhos desenvolvidos ainda se limitam ao âmbito do laboratório de pesquisa, onde é possível estabelecer maior controle nos protocolos de registro e análise, o que não é comumente observado na prática clínico-desportiva. Dessa forma, o objetivo do estudo foi examinar os efeitos de dois protocolos de colocação de eletrodos e a realização de contrações isotônicas no domínio da frequência do sinal de sEMG. Quinze sujeitos do sexo masculino (idade: 22,8 ± 3,5 anos), todos destros, realizaram contrações dinâmicas do bíceps braquial direito com carga estimada em 20% da contração voluntária máxima em três diferentes cadências (30, 45, 60bpm). Os sinais de sEMG foram registrados por meio de dois canais, cujas DIEs foram de 4,2 e 13cm, respectivamente. A avaliação dos sinais de sEMG foi baseada na frequência mediana do espectro de potencial do sinal, calculado via transformada rápida de Fourier. A DIE e a cadência foram definidas como fatores (ANOVA two-way; α = 0,05). Não foram observadas diferenças estatísticas e qualquer interação entre ambos os fatores nas três cadências (P > 0,05). Sugere-se que, independentemente da distância utilizada entre os eletrodos, uma investigação no domínio da frequência do sinal de sEMG em tarefas dinâmicas seja evitada, mesmo a partir de DIEs reduzidas, como é sugerido pela literatura, dado que variações no torque e no comprimento muscular podem corromper o sinal e, portanto, sua interpretação.

Keywords : eletromiografia; processamento digital de sinais; contração isotônica.

        · abstract in English     · text in Portuguese     · pdf in Portuguese