SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.15 issue5Injury incidence in sub-21 male soccer players during Regional Games of Sertãozinho-SP 2006Resting metabolic rate of cyclists estimated by mathematical equations and obtained by indirect calorimetry author indexsubject indexarticles search
Home Pagealphabetic serial listing  

Revista Brasileira de Medicina do Esporte

Print version ISSN 1517-8692

Abstract

MODOLO, Vladimir Bonilha et al. Dependência de exercício físico: humor, qualidade de vida em atletas amadores e profissionais. Rev Bras Med Esporte [online]. 2009, vol.15, n.5, pp. 355-359. ISSN 1517-8692.  http://dx.doi.org/10.1590/S1517-86922009000600007.

O objetivo do presente estudo foi verificar se existem diferenças nos escores de Dependência de Exercício (DE), escores de humor e qualidade de vida em atletas profissionais e amadores de modalidade esportivas coletivas e individuais. MÉTODOS: Participaram deste estudo 116 atletas praticantes de modalidades esportivas coletivas (n = 60, sendo 20 profissionais e 40 amadores) e individuais (n = 56, sendo 16 profissionais e 40 amadores) do gênero masculino. As médias (± desvio-padrão) da idade, estatura, massa corporal e índice de massa corpórea (IMC) foram: 22,13 ± 6,16 anos; 1,77 ± 0,10cm; 72,76 ± 10,04kg; e 23,10 ± 2,04kg/m2, respectivamente. Os atletas responderam aos seguintes questionários: Escala de Dependência de Exercício (EDE), Inventário Beck de Depressão, Idate Traço e Estado de Ansiedade, Questionário POMS de perfil de humor, Questionário SF-36 de Qualidade de Vida, em um dia de folga dentro da periodização normal de treinamento, caracterizando o estudo como transversal. O trabalho foi aprovado pelo Comitê de Ética em Pesquisa da Unifesp (# 0616/06). RESULTADOS: Atletas amadores e profissionais apresentaram escores similares de DE, mas quando considerados os tipos de modalidade, os amadores praticantes de modalidades coletivas apresentam maiores escores, o que se inverte quando considerados atletas profissionais. Em relação aos resultados de humor, atletas profissionais apresentaram mais qualidade de vida e menores escores de humor. CONCLUSÃO: Atletas amadores e profissionais praticantes de modalidades esportivas coletivas e individuais respondem diferentemente à DE; o tipo de modalidade e seu envolvimento social e competitivo parecem ser o grande determinante. Além disso, pode-se concluir que atletas profissionais de modalidades coletivas apresentam melhor perfil de humor e qualidade de vida, tanto quando comparados com profissionais de modalidades individuais, quando com atletas amadores praticantes de modalidades coletivas ou individuais.

Keywords : dependência de exercício; compulsão; ansiedade; depressão; atletas.

        · abstract in English     · text in Portuguese     · pdf in Portuguese