SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.16 issue4Blood lipids abnormalities and overweight prevalence in students of Santa Maria, RS, BrazilEffects of 24 weeks of resistance training on aerobic fitness indexes of older women author indexsubject indexarticles search
Home Pagealphabetic serial listing  

Revista Brasileira de Medicina do Esporte

Print version ISSN 1517-8692

Abstract

PEREZ, Anselmo José et al. Estudo comparativo da autonomia de ação de idosas praticantes e não praticantes de exercícios físicos regulares. Rev Bras Med Esporte [online]. 2010, vol.16, n.4, pp. 254-258. ISSN 1517-8692.  http://dx.doi.org/10.1590/S1517-86922010000400004.

A prática regular de exercícios físicos pode afetar favoravelmente a autonomia. O estudo comparou a autonomia de ação de idosas praticantes (GE, n = 27) e não praticantes (GNE, n = 21) de exercícios, valendo-se do Sistema Sênior de Avaliação da Autonomia de Ação (SysSen). O SysSen é composto por questionário (QSAP), voltado para necessidades de potência aeróbia (PA) e força (FO) em atividades compatíveis com uma vida percebida como autônoma, e teste de campo (TSMP), no qual se caminha 800m transportando cargas predeterminadas. O QSAP fornece o índice de autonomia exprimida (IAE) e o TSMP o índice de autonomia potencial (IAP) que, cruzados, definem o índice de autonomia de ação (IAP/IAE = ISAC). Um ISAC > 1,0 caracteriza o sujeito como autônomo. Os grupos eram similares quanto à idade (GNE = 68 ± 5 vs. GE = 69 ± 6 anos; p = 0,56), peso (GNE = 65,7 ± 14,6 vs. GE = 67,4 ± 10,1kg; p = 0,65) e estatura (GNE = 1,54 ± 0,05 vs. GE = 1,56 ± 0,04m; p = 0,28). Houve diferenças significativas para o tempo de execução do TSMP (GNE = 678,9 ± 78,0 vs. GE = 631,0 ± 91,1s; p = 0,05) e IAP (GNE = 64,4 ± 5,2 vs. GE = 68,2 ± 4,7; p = 0,01). No tocante ao QSAP, não se constataram diferenças significativas para o IAE (GNE = 73,3 ± 57,0 vs. GE = 73,7 ± 5,1; p = 0,85) ou necessidades de FO e PA. Todavia, os resultados para PA e FO foram maiores para GE nos itens relacionados às atividades que as idosas faziam efetivamente (p < 0,05). Não houve diferença entre os grupos para o ISAC (p = 0,55). Conclui-se que a prática regular de exercícios não influenciou significativamente a autonomia de ação apreciada pelo SysSen, provavelmente em virtude de elevação proporcional do IAE e IAP nos grupos ativo e inativo.

Keywords : envelhecimento; autonomia funcional; atividade física; aptidão física; saúde.

        · abstract in English     · text in Portuguese     · pdf in Portuguese