SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.18 número3Use of biophotogrammetry for assessment of trunk flexibilityPrevalence of injuries in female athletes of Brazilian futsal: a retrospective study índice de autoresíndice de materiabúsqueda de artículos
Home Pagelista alfabética de revistas  

Revista Brasileira de Medicina do Esporte

versión impresa ISSN 1517-8692

Resumen

CONCEICAO, Mario Cezar de Souza Costa et al. Efeitos crônicos do flexionamento estático sobre parâmetros neuromusculares em adultos jovens. Rev Bras Med Esporte [online]. 2012, vol.18, n.3, pp. 181-185. ISSN 1517-8692.  http://dx.doi.org/10.1590/S1517-86922012000300009.

INTRODUÇÃO: O treinamento engloba, dentre outras qualidades físicas, a flexibilidade e a força. Assim, conhecer as inter-relações mútuas entre essas qualidades físicas potencializaria a eficácia do treino. OBJETIVO: Verificar as alterações nos parâmetros neuromusculares em um programa de flexionamento estático, após 12 semanas de intervenção. MÉTODOS: Participaram 70 cadetes, com idade média de 17,03 ± 1,14 anos, divididos em dois grupos: grupo experimental (GF, n = 35) e grupo controle (GC, n = 35). A força foi avaliada através de 1RM de contração estática nos movimentos de flexão e extensão horizontal de ombro (FFHO/FEHO) e extensão da coluna lombar (FECL). A flexibilidade foi avaliada pelo protocolo LABIFIE de goniometria nos movimentos de flexão e extensão horizontal de ombro (FHO/EHO) e flexão da coluna lombar (FCL). A concentração de hidroxiprolina na urina coletada pelo método Nordin foi realizada pelo protocolo HPROLI 2h. RESULTADOS: A ANOVA de medidas repetidas demonstrou aumento significativo para FHO (∆% = 3,9%; p = 0,001), EHO (∆% = 21,1%; p = 0,001), FCL (∆% = 73,8%; p = 0,001), FFHO (∆% = 20,4%; p = 0,001) e FECL (∆% = 4,0%; p = 0,008) do pré para o pós-teste. Os níveis de hidroxiprolina não apresentaram alterações significativas. Nas comparações intergrupos, foram encontradas diferenças significativas para FHO (p = 0,016), EHO (p = 0,005), FCL (p = 0,004), FFHO (p = 0,001) e FECL (p = 0,007). O poder do experimento observado foi de 86% para um beta calculado de 0,14. CONCLUSÃO: O flexionamento estático foi capaz de melhorar tanto a flexibilidade como a força.

Palabras llave : amplitude de movimento articular; educação física e treinamento; hidroxiprolina; força muscular.

        · resumen en Inglés     · texto en Portugués | Inglés     · pdf en Inglés | Portugués