SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.18 número3Prevalência de lesões em atletas do futsal feminino brasileiro: um estudo retrospectivoAnálise da correlação entre o protocolo Polar Fitness Test® para predição de VO2máx e ergoespirometria índice de autoresíndice de assuntospesquisa de artigos
Home Pagelista alfabética de periódicos  

Revista Brasileira de Medicina do Esporte

versão impressa ISSN 1517-8692

Resumo

RAVAGNANI, Fabricio Cesar de Paula et al. Efeito de dietas hiperlipídicas com extrato de baru e chocolate sobre a área de adipócitos de ratos submetidos ao exercício físico. Rev Bras Med Esporte [online]. 2012, vol.18, n.3, pp. 190-194. ISSN 1517-8692.  http://dx.doi.org/10.1590/S1517-86922012000300011.

INTRODUÇÃO: O acúmulo de tecido adiposo provoca uma série de distúrbios metabólicos, os quais poderiam ser atenuados pela modulação dietética e prática de exercícios físicos. OBJETIVO: Avaliar os efeitos de dietas hipercalóricas/hiperlipídicas com extrato de baru e chocolate associadas ao exercício aeróbio sobre a área de adipócitos e triglicérides hepáticos (TGLhep) de ratos. MÉTODOS: Após o desmame, ratos da linhagem Wistar, com exceção dos controles (dieta Nuvilab®; 3,48kcal/g), foram alimentados com dieta à base de chocolate (4,17kcal/g), por dois meses, para indução da obesidade. Feito isso, os animais foram distribuídos em seis grupos: controle sedentários (CS), controle exercitados (CE), baru sedentários (BS), baru exercitados (BE), chocolate sedentários (CHOS), chocolate exercitados (CHOE), de acordo com a introdução da dieta com extrato de baru e treinamento de natação (2% do peso corporal., 8 sem., 5x/semana, 1h/sessão). Após a morte dos animais, o conteúdo de TGLhep foi determinado e os tecidos adiposos retroperitoneal, inguinal e omental foram removidos, pesados e submetidos à avaliação da área de adipócitos. RESULTADOS: As dietas hipercalóricas aumentaram o peso e a área de células do tecido retroperitoneal em relação à dieta controle (p < 0,05). O exercício reduziu a área de células do tecido omental (CHOE: 6.370,91 ± 7.776,13 < CHOS: 7.341,28 ± 5.862,24µm2) e inguinal (CHOE: 5.147,49 ± 5.712,71 < CHOS: 7.083,11 ± 7.682,40µm2) do grupo chocolate e inguinal do controle (CE: 2.212,87 ± 1.920,34 < CS: 3.386,11 ± 3.973,09µm2). O conteúdo de TGLhep dos animais sedentários apresentou-se mais elevado em relação aos animais exercitados e alimentados com as dietas hipercalóricas (BS: 1,36 ± 0,50 > BE: 0,88 ± 0,43mg.100mg-1; CHOS: 1,77 ± 0,64 > CHOE: 0,86 ± 0,41mg.100mg-1). CONCLUSÃO: O treinamento físico em intensidade leve à moderada reduziu significativamente os depósitos adiposos omental (visceral) e inguinal dos animais alimentados com dieta controle e chocolate. Esse mesmo comportamento não foi reproduzido com a dieta à base de extrato de baru. Os animais exercitados apresentaram menor conteúdo de TGLhep, mesmo na persistência das dietas hiperlipídicas/hipercalóricas.

Palavras-chave : treinamento físico; dieta hiperlipídica; área de adipócitos.

        · resumo em Inglês     · texto em Português | Inglês     · pdf em Português | Inglês