SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.18 número4Avaliação da força de preensão palmar frente à terapia com mobilização neuralPrevalência e fatores associados a lesões em corredores amadores de rua do município de Belo Horizonte, MG índice de autoresíndice de assuntospesquisa de artigos
Home Pagelista alfabética de periódicos  

Revista Brasileira de Medicina do Esporte

versão impressa ISSN 1517-8692

Resumo

BANDEIRA, Fábio et al. Pode a termografia auxiliar no diagnóstico de lesões musculares em atletas de futebol?. Rev Bras Med Esporte [online]. 2012, vol.18, n.4, pp. 246-251. ISSN 1517-8692.  http://dx.doi.org/10.1590/S1517-86922012000400006.

INTRODUÇÃO: Considerando que as lesões musculares desencadeiam processos inflamatórios e que a inflamação gera calor em decorrência do aumento do metabolismo local, então, o nível inflamatório pode ser avaliado por meio do gradiente de temperatura. OBJETIVO: Verificar a viabilidade da aplicação da termografia no diagnóstico de lesões causadas pelo treinamento físico. MÉTODOS: O estudo foi realizado com atletas adolescentes do Paraná Clube, Curitiba, PR, Brasil, que foram divididos em dois grupos, denominados controle e experimental. O grupo controle participou de uma sessão de treinamento de baixa intensidade e o grupo experimental de alta intensidade. Primeiramente, foi capturada uma imagem termográfica do quadríceps femoral de cada atleta antes do início da sessão de treinamento. Após a sessão de treinamento, coletou-se uma amostra de sangue para verificar o nível sérico de lactato de cada atleta. Posteriormente, 24h após o treinamento, efetuou-se outra coleta de sangue para verificar o nível sérico de CK de cada atleta. Outra imagem termográfica individual do quadríceps femoral também foi adquirida nessa etapa. RESULTADOS: A correlação entre os índices de lactato e CK foi positiva e estatisticamente significativa, com valor rho = 0,661 (p = 0,038). Não houve correlação estatisticamente significativa entre os valores de CK 24h pós-treino e na variação de temperatura (24h pós-treino - pré-treino) nos músculos avaliados para o grupo controle. Houve diferença de temperatura (24h pós-treino - pré-treino) estatisticamente significativa (p < 0,05) para os três músculos estudados apenas no grupo experimental. CONCLUSÃO: Os resultados do presente estudo sugerem a possibilidade da utilização de imagens termográficas para, em conjunto com a creatina-quinase, determinar a intensidade e a localização de lesões musculares pós-treino, uma vez que o citado marcador bioquímico não consegue determinar a localização anatômica da lesão muscular.

Palavras-chave : inflamação muscular; creatina-quinase; termografia.

        · resumo em Inglês     · texto em Português | Inglês     · pdf em Português | Inglês