SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.21 número2Análise individual das concentrações da creatina quinase em jogadores de elite do futebol brasileiroGasto de energia e utilização de substrato durante vibração do corpo todo índice de autoresíndice de assuntospesquisa de artigos
Home Pagelista alfabética de periódicos  

Serviços Personalizados

Journal

Artigo

Indicadores

Links relacionados

Compartilhar


Revista Brasileira de Medicina do Esporte

versão impressa ISSN 1517-8692

Resumo

SILVA, Cristiane Fialho Ferreira da et al. Associação de força e nível de atividade física à densidade mineral óssea na pós-menopausa. Rev Bras Med Esporte [online]. 2015, vol.21, n.2, pp.117-121. ISSN 1517-8692.  http://dx.doi.org/10.1590/1517-86922015210102111.

INTRODUÇÃO:

o exercício físico atua melhorando a densidade mineral óssea DMO por gerar deformidades nesse tecido e estimular remodelação.

OBJETIVO:

verificar a associação entre força muscular e nível de atividade física à densidade mineral óssea DMO utilizando testes de força de bíceps, de sentar e levantar, dinamometria de mãos, história pregressa de atividade física e nível de atividade física, avaliado pelo pedômetro com a DMO em mulheres na pós-menopausa.

MÉTODOS:

estudo transversal, descritivo que mensurou a densidade mineral óssea pela absorção de dupla energia de raios X DXA da coluna lombar L1-L4, fêmur e antebraços em 62 mulheres saudáveis no pós-menopausa, com média de 56,82 ± 4,02 anos de idade. Foi aplicado questionário para atividade física pregressa e realizada contagem diária de passos pedômetro. A força muscular foi medida pelos testes de dinamometria de mãos, de 30 segundos de bíceps bilateral e de sentar e levantar da cadeira em 30 segundos. Realizou-se registro alimentar de três dias para mensuração da ingestão diária de cálcio e vitamina D.

RESULTADOS:

os indivíduos apresentaram altos níveis de atividade física, porém baixa ingestão diária de cálcio e vitamina D. Não foi verificada diferença estatisticamente significativa entre força muscular nos dois grupos estudados, com DMO diminuída e DMO normal. O grupo com DMO diminuída apresentou maior número de passos diários e menor peso quando comparado com o grupo com DMO normal. Foram observadas várias correlações positivas de baixa magnitude, embora significantes, entre a densitometria e a força muscular p < 0,50.

CONCLUSÃO:

os autores descreveram risco cinco vezes e meia maior em mulheres não praticantes de atividade física da adolescência até a idade adulta e de apresentarem redução da DMO em comparação com as mulheres que apresentaram DMO normal.

Palavras-chave : exercício; músculos; densidade óssea; doenças ósseas metabólicas.

        · resumo em Inglês | Espanhol     · texto em Português     · Português ( pdf )