SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.24 número6CONHECIMENTO DOS PROFISSIONAIS DE EDUCAÇÃO FÍSICA SOBRE PRESCRIÇÃO DO EXERCÍCIO AERÓBICO E RESISTIDO PARA IDOSOSEFEITOS DA FITA ATLÉTICA NA PERFORMANCE DE ATLETAS DE BASQUETE COM INSTABILIDADE CRÔNICA DE TORNOZELO índice de autoresíndice de assuntospesquisa de artigos
Home Pagelista alfabética de periódicos  

Serviços Personalizados

Journal

Artigo

Indicadores

Links relacionados

Compartilhar


Revista Brasileira de Medicina do Esporte

versão impressa ISSN 1517-8692versão On-line ISSN 1806-9940

Resumo

SANTOS, Heleodório Honorato et al. CORRELAÇÃO ENTRE TREINO EXCÊNTRICO E TESTES FUNCIONAIS EM SUJEITOS COM LCA RECONSTRUÍDO. Rev Bras Med Esporte [online]. 2018, vol.24, n.6, pp.471-476. ISSN 1517-8692.  http://dx.doi.org/10.1590/1517-869220182406184218.

Introdução:

O treino excêntrico e testes de saltos são muito utilizados para recuperar e aferir déficits de força e funcionalidade do joelho, após reconstrução do ligamento cruzado anterior (LCA).

Objetivo:

Correlacionar o torque extensor e flexor do joelho, gerados pelo treino isocinético excêntrico, com testes funcionais de saltos em sujeitos com LCA reconstruído.

Método:

Foram avaliados 16 homens, com reconstrução unilateral do LCA, antes e depois de 12 semanas de treino isocinético excêntrico de extensores e flexores do joelho (3 × 10 CEVM, 2x/semana) a 30°/s, quanto ao torque extensor e flexor (isométrico; concêntrico e excêntrico a 30°/s e 120°/s) e aos testes funcionais de saltos (simples, triplo, cruzado e figura em 8). As médias dos picos de torque (MPT), a distância e os tempos dos testes de salto inter e intramembros, pré e pós-treino foram comparados, além das correlações entre essas variáveis, considerando P< 0,05.

Resultados:

O membro acometido (MA) mostrou ganho significativo de torque extensor e flexor (P< 0,01) nos modos e velocidades avaliados. No membro não acometido (MNA), isso ocorreu apenas para o modo excêntrico (30°/s e 120°/s), do torque extensor (P< 0,01) e flexor (P< 0,05 e P<0,01), respectivamente. Nos saltos, houve aumento da distância (simples e triplo; P< 0,05) e diminuição do tempo (cruzado e figura em 8; P< 0,01), porém, as correlações entre MPT e saltos mostraram-se fracas nos dois membros (r< 0,3) antes e depois do treino.

Conclusão:

Apesar do ganho no torque extensor e flexor do joelho e no rendimento dos saltos, a correlação esperada não foi satisfatória, sugerindo que a funcionalidade do joelho envolve outras variáveis inerentes ao controle motor. Nível de evidência IV; Tipo de estudo: Série de casos.

Palavras-chave : Força muscular; Provas de rendimento; Reabilitação.

        · resumo em Inglês | Espanhol     · texto em Inglês     · Inglês ( pdf )