SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.25 número2USO DAS CORRENTES RUSSA E AUSSIE NA TETANIZAÇÃO ISOMÉTRICA DO QUADRÍCEPS FEMORALINFLUÊNCIA DO EXERCÍCIO FÍSICO AGUDO NO COMPORTAMENTO COGNITIVO E MOTOR EM MODELO EXPERIMENTAL DE ALZHEIMER índice de autoresíndice de assuntospesquisa de artigos
Home Pagelista alfabética de periódicos  

Serviços Personalizados

Journal

Artigo

Indicadores

Links relacionados

Compartilhar


Revista Brasileira de Medicina do Esporte

versão impressa ISSN 1517-8692versão On-line ISSN 1806-9940

Resumo

SILVA, Vitor Loureiro da et al. ESTADO DE SAÚDE E APTIDÃO FÍSICA DE ÁRBITROS DE FUTEBOL DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO DO QUADRO DA CBF. Rev Bras Med Esporte [online]. 2019, vol.25, n.2, pp.147-151. ISSN 1517-8692.  https://doi.org/10.1590/1517-869220192502198030.

Introdução:

Estudos apontam que o desempenho técnico/tático de árbitros de futebol de campo pode ser impactado pela aptidão física e estado de saúde. Contudo, embora sejam rotineiramente convocados para jogos em âmbito nacional, ainda não está bem estabelecido se os árbitros que atuam em regiões e campeonatos de futebol menos expressivos apresentam os mesmos níveis de preparação física, técnica e psicológica que os árbitros de centros de maior relevância, como o futebol paulista e carioca. Diante desse contexto, não foram encontrados estudos que avaliaram o condicionamento físico e os parâmetros de saúde de árbitros da Confederação Brasileira de Futebol (CBF) que atuam no Espírito Santo.

Objetivo:

Analisar a saúde e os níveis de aptidão física de árbitros de futebol do Espírito Santo.

Métodos:

Estudo transversal com 16 participantes, sendo 6 árbitros principais e 10 assistentes. O protocolo perdurou por 12 semanas e foi composto pelas seguintes análises: características gerais, composição corporal, flexibilidade e perfis bioquímico e cardiorrespiratório.

Resultados:

O grupo de árbitros apresentava idade dentro do limite máximo (26 a 41 anos) exigido pelo quadro da CBF e bons resultados de composição corporal e flexibilidade. A avaliação cardiorrespiratória (repouso e esforço) dos árbitros denotou aptidão física satisfatória e, consequentemente, baixo risco de doenças cardiovasculares a partir da frequência cardíaca (FC) de repouso (64 ± 13 bpm), FC de reserva (126 ± 18 bpm) e VO2máx (45,3 ± 5,7 ml·kg−1·min−1), resultados similares aos observados em árbitros de elite mundial. Quanto à avaliação bioquímica, os parâmetros analisados estavam dentro da normalidade.

Conclusão:

Os árbitros capixabas, mesmo atuando em uma região de menor expressão nacional e relevância no âmbito futebolístico, apresentam aptidão física e parâmetros de saúde satisfatórios para atuarem com segurança e precisão nas competições nacionais. Nível de Evidência IV; Série de casos.

Palavras-chave : Árbitros de futebol; Testes Físicos; Aptidão física; Saúde.

        · resumo em Inglês | Espanhol     · texto em Inglês     · Inglês ( pdf )