SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.19 número3Compreensão sobre o trabalho da doula em uma maternidade do Vale do Jequitinhonha - MGResultados perinatais adversos das gestações de adolescentes vs de mulheres em idade avançada na rede brasileira de saúde pública índice de autoresíndice de assuntospesquisa de artigos
Home Pagelista alfabética de periódicos  

Serviços Personalizados

Journal

Artigo

Indicadores

Links relacionados

Compartilhar


Revista Brasileira de Saúde Materno Infantil

versão impressa ISSN 1519-3829versão On-line ISSN 1806-9304

Resumo

BADANAI, Nayla de Lourenço; ZUCCOLOTTO, Daniela Cristina Candelas; CRIVELLENTI, Lívia Castro  e  SARTORELLI, Daniela Saes. Associação entre os padrões alimentares e grau de processamento de alimentos com o sentimento de depressão na gravidez. Rev. Bras. Saude Mater. Infant. [online]. 2019, vol.19, n.3, pp.581-590.  Epub 16-Set-2019. ISSN 1519-3829.  https://doi.org/10.1590/1806-93042019000300006.

Objetivos:

investigar a relação entre padrões alimentares e o grau de processamento de alimentos com sentimento de depressão na gestação.

Métodos:

estudo transversal conduzido entre 784 gestantes adultas de Ribeirão Preto, SP, em 2011-2012. O sentimento de depressão foi obtido por questionário estruturado. Dois inquéritos recordatórios de 24 horas foram obtidos (24ª- 39ª semanas de gestação) e ajustados pelo Multiple Source Method. Quatro padrões alimentares foram identificados: “tradicional brasileiro”, “lanches”, “café” e “saudável”. Modelos de regressão logística ajustados foram empregados para investigar a relação entre os tercis dos padrões alimentares e do percentual energético (% E) de alimentos segundo o grau de processamento industrial com sentimento de depressão (sempre/a maior parte do tempo vs. às vezes/nunca).

Resultados:

12% das mulheres reportaram sentimento de depressão na gestação. Mulheres com maior adesão aos padrões “tradicional brasileiro” [OR= 0,54 (IC95%= 0,30-0,97)] e “saudável” [0,53 (IC95%= 0,30-0,94)] e com maior % E de alimentos minimamente processados[0,51 (0,28-0,93)] apresentaram menor chance de sentimento de depressão. Maior % E de alimentos ultraprocessados [2,39 (1,29-4,41)] foi diretamente associado ao desfecho. Nenhuma associação com os demais padrões foi verificada.

Conclusões:

maior adesão aos padrões alimentares “tradicional brasileiro” e “saudável” foi inversamente associada ao sentimento de depressão na gestação, possivelmente mediado pelo grau de processamento industrial dos alimentos.

Palavras-chave : Gestantes; Padrões alimentares; Alimentos industrializados; Depressão.

        · resumo em Inglês     · texto em Português | Inglês     · Português ( pdf ) | Inglês ( pdf )