SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.35 número2Seleção de isolados de Beauveria bassiana (Bals.) Vuill. e Metarhizium anisopliae (Metsch.) Sorok. contra o cascudinho Alphitobius diaperinus (Panzer) (Coleoptera: Tenebrionidae)Custo adaptativo associado à resistência de Aphis gossypii Glover (Hemiptera: Aphididae) ao inseticida carbosulfam índice de autoresíndice de assuntospesquisa de artigos
Home Pagelista alfabética de periódicos  

Serviços Personalizados

Journal

Artigo

Indicadores

Links relacionados

Compartilhar


Neotropical Entomology

versão impressa ISSN 1519-566Xversão On-line ISSN 1678-8052

Resumo

SANTOS JR., Hugo J.G. dos; MARQUES, Edmilson J.; BARROS, Reginaldo  e  GONDIM JR., Manoel G.C.. Interação de Metarhizium anisopliae (Metsch.) Sorok., Beauveria bassiana (Bals.) Vuill. e o parasitóide Oomyzus sokolowskii (Kurdjumov) (Hymenoptera: Eulophidae) sobre larvas da traça-das-crucíferas, Plutella xylostella (L.) (Lepidoptera: Plutellidae). Neotrop. Entomol. [online]. 2006, vol.35, n.2, pp.241-245. ISSN 1678-8052.  https://doi.org/10.1590/S1519-566X2006000200013.

Inseticidas químicos são amplamente usados para o controle da traça-das-crucíferas, Plutella xylostella (L.). Esta é considerada a principal praga das crucíferas em todo o mundo e o surgimento de resistência de P. xylostella tem sido freqüentemente relatado. Este trabalho investigou as diferentes interações dos fungos Metarhizium anisopliae (Metsch.) Sorok. e Beauveria bassiana (Bals.) Vuill. com o parasitóide de larva-pupa Oomyzus sokolowskii (Kurdjumov) sobre larvas de P. xylostella. O experimento foi conduzido à temperatura de 26 ± 1°C, UR de 75 ± 5% e fotofase de 12h, empregando-se delineamento inteiramente casualizado, constando de oito tratamentos com seis repetições cada. Foram utilizados os isolados E9 de M. anisopliae e ESALQ 447 de B. bassiana, na concentração de 107 conídios ml-1. Os resultados mostram que M. anisopliae e B. bassiana reduziram o parasitismo de P. xylostella por O. sokolowskii . Por outro lado, efeitos aditivos no controle de P. xylostella foram evidenciados nas diferentes combinações dos fungos com o parasitóide, exceto para B. bassiana quando pulverizado 24h antes da exposição a O. sokolowskii. Os fungos M. anisopliae e B. bassiana foram mais eficientes quando aplicados após a exposição das larvas ao parasitóide, e a eficiência de O. sokolowskii foi influenciada negativamente pela presença dos fungos independente da combinação. A associação dos fungos com o parasitóide apresentam potencial para serem testados em campo, objetivando o controle de P. xylostella bem como favorecer economicamente o sistema produtivo das brássicas.

Palavras-chave : Fungo entomopatogênico; controle biológico; parasitóide.

        · resumo em Inglês     · texto em Português     · Português ( pdf )

 

Creative Commons License Todo o conteúdo deste periódico, exceto onde está identificado, está licenciado sob uma Licença Creative Commons