SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.38 issue1Survival and larval development of Spodoptera frugiperda (J E Smith) (Lepidoptera: Noctuidae) on alternatives hostOviposition behavior of the silverleaf whitefly Bemisia tabaci biotype B on tomato author indexsubject indexarticles search
Home Pagealphabetic serial listing  

Neotropical Entomology

Print version ISSN 1519-566X

Abstract

SILVA, Leonardo D; OMOTO, Celso; BLEICHER, Ervino  and  DOURADO, Patrick M. Monitoramento da suscetibilidade a inseticidas em populações de Bemisia tabaci (Gennadius) (Hemiptera: Aleyrodidae) no Brasil. Neotrop. entomol. [online]. 2009, vol.38, n.1, pp. 116-125. ISSN 1519-566X.  http://dx.doi.org/10.1590/S1519-566X2009000100013.

O monitoramento da suscetibilidade de pragas a praguicidas é essencial para programas de manejo da resistência. O objetivo deste trabalho foi verificar a variabilidade genética de populações de Bemisia tabaci (Gennadius), oriundas de diferentes áreas agrícolas, quanto a suscetibilidade a inseticidas no Brasil, por meio de dois testes diferentes. Quatro populações de mosca-branca foram testadas em relação a uma população suscetível de referência (SusIAC); duas oriundas de Goiás (GO-1 e GO-2) e outras duas da Bahia (BA-1 e BA-2). Uma técnica de bioensaio do tipo contato residual foi empregada para realização dos testes: 1) teste diagnóstico da resistência; e 2) teste para obtenção das linhas de suscetibilidade das populações. Os produtos utilizados foram acetamipride, imidaclopride, tiametoxam, clorpirifós e endosulfam. Utilizaram-se insetos adultos não separados por sexo e nem por idade nos testes. As avaliações foram realizadas em 24h, para o teste com endosulfam, e em 48h, para os demais produtos. Ambos os testes revelaram variabilidade genética quanto à suscetibilidade de mosca-branca aos inseticidas. No entanto, a discriminação entre as populações de B. tabaci foi mais evidente com o uso de testes diagnósticos. A população GO-2 foi significativamente menos suscetível aos produtos testados que a SusIAC, principalmente em relação aos neonicotinóides. A situação mais crítica de resistência de mosca-branca foi com tiametoxam, seguida pelo imidaclopride.

Keywords : Mosca-branca; biótipo B; linha básica de referência; controle químico; manejo da resistência.

        · abstract in English     · text in Portuguese     · pdf in Portuguese