SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.12 número2Ideologias partidárias no governo Lula: A percepção do eleitorLaudos antropológicos, responsabilidades sociais: Dilemas do reconhecimento de comunidades remanescentes de quilombos índice de autoresíndice de assuntospesquisa de artigos
Home Pagelista alfabética de periódicos  

Serviços Personalizados

Journal

Artigo

Indicadores

Links relacionados

Compartilhar


Civitas - Revista de Ciências Sociais

versão impressa ISSN 1519-6089versão On-line ISSN 1984-7289

Resumo

REIS, Guilherme Simões. Redefinindo a base teórica para o estudo dos partidos social-democratas. Civitas, Rev. Ciênc. Soc. [online]. 2012, vol.12, n.2, pp.321-339.  Epub 03-Jul-2020. ISSN 1984-7289.  https://doi.org/10.15448/1984-7289.2012.2.11931.

A ciência política geralmente interpreta a social-democracia como moderação, adesão ao capitalismo e diferenças apenas residuais em relação ao liberalismo de mercado. Este artigo advoga por outra definição, baseada nas ideias de Kautsky e Bernstein, com dois elementos-chave: a importância central da democracia representativa e parlamentar e o reconhecimento de que há limites para avançar na transformação social. O reformismo gradual que daí decorre é o meio pelo qual os partidos social-democratas buscam melhorar a vida de trabalhadores e excluídos. É discutida a dinâmica interna dos partidos social-democratas, cuja tensão entre o pragmatismo “bernsteiniano” e o purismo “kautskiano” evita que a social-democracia vá para um dos extremos e se descaracterize. Debate-se o significado da moderação da social-democracia, a qual deve avançar no limite das possibilidades e lutar para modificar tais limites. Ao pesquisador cabe avaliar esses avanços relativamente aos limites e as ações realizadas para reduzir tais restrições.

Palavras-chave : Social-democracia; partidos; democracia representativa; Karl Kautsky; Eduard Bernstein.

        · resumo em Inglês     · texto em Português     · Português ( pdf )