SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.66 número2AO componente arbóreo de uma floresta seca no Nordeste do BrasilInfluência da rainha no comportamento de operárias da formiga cortadeira Atta sexdens rubropilosa (Forel, 1908) índice de autoresíndice de assuntospesquisa de artigos
Home Pagelista alfabética de periódicos  

Serviços Personalizados

Journal

Artigo

Indicadores

Links relacionados

Compartilhar


Brazilian Journal of Biology

versão impressa ISSN 1519-6984versão On-line ISSN 1678-4375

Resumo

GOMES, L. C.; ARAUJO-LIMA, C. A. R. M.; CHIPPARI-GOMES, A. R.  e  ROUBACH, R.. Transporte de juvenis de tambaqui (Colossoma macropomum) em sistema fechado. Braz. J. Biol. [online]. 2006, vol.66, n.2a, pp.493-502. ISSN 1519-6984.  http://dx.doi.org/10.1590/S1519-69842006000300015.

O objetivo deste estudo foi investigar o efeito da densidade, duração e do uso de aditivos na água durante o transporte de juvenis de tambaqui (Colossoma macropomum) e usar estes resultados para estabelecer um protocolo seguro de transporte para esta espécie. Os produtos testados e suas doses foram: sal de mesa (1000, 2000 e 3000 mg/L), gesso (100, 300 e 500 mg/L) e benzocaína (10, 20 e 30 mg/L). Os peixes foram transportados em sistema fechado (saco plástico) em diferentes densidades e por diferentes tempos por até 24 h de transporte. A sobrevivência e os parâmetros de qualidade da água foram monitorados imediatamente após o transporte. Os peixes que sobreviveram ao transporte foram colocados em tanques-rede para avaliar a mortalidade após 96 h. A melhor densidade, tempo de transporte e aditivo foram estimados por modelo linear geral. O efeito do fator de condição na sobrevivência após o transporte e na sobrevivência de 96 h também foi avaliado. Como esperado, a sobrevivência após o transporte e a sobrevivência de 96 h foram significativamente correlacionados com o tempo e a densidade. A sobrevivência após o transporte, mas não a sobrevivência de 96 h, também tem correlação com os aditivos testados. A sobrevivência após o transporte é significativamente igual para o tratamento controle e para os tratamentos que receberam gesso e significativamente menor para os tratamentos que receberam sal e benzocaína. O fator de condição não tem correlação com a sobrevivência após o transporte e a sobrevivência de 96 h. É conclusivo que os aditivos testados não melhoram a sobrevivência de juvenis de tambaqui após o transporte. Modelos lineares foram desenvolvidos para predizer a melhor densidade de transporte em função do tempo.

Palavras-chave : aqüicultura; estresse; manuseio; sal e anestésico.

        · resumo em Inglês     · texto em Inglês     · Inglês ( pdf )

 

Creative Commons License Todo o conteúdo deste periódico, exceto onde está identificado, está licenciado sob uma Licença Creative Commons