SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.68 número4  suppl.Valor da biodiversidadeReservatórios e o bem estar humano: novos desafios para avaliar os impactos e os benefícios nas regiões neotropicais índice de autoresíndice de assuntospesquisa de artigos
Home Pagelista alfabética de periódicos  

Serviços Personalizados

Journal

Artigo

Indicadores

Links relacionados

Compartilhar


Brazilian Journal of Biology

versão impressa ISSN 1519-6984versão On-line ISSN 1678-4375

Resumo

AGOSTINHO, AA.; PELICICE, FM.  e  GOMES, LC.. Represamentos e a fauna de peixes neotropicais: impactos e manejo relacionados à diversidade e à pesca. Braz. J. Biol. [online]. 2008, vol.68, n.4, suppl., pp.1119-1132. ISSN 1519-6984.  http://dx.doi.org/10.1590/S1519-69842008000500019.

No Brasil, reservatórios foram construídos nas principais bacias hidrográficas, para fins de abastecimento humano, irrigação e, principalmente, geração de energia elétrica. Como resultado, praticamente todos os grandes rios estão hoje sob influência de barragens, sendo que mais de 700 grandes reservatórios encontram-se espalhados pelos rios do País. Apesar de importantes para o desenvolvimento econômico, os barramentos promovem alterações graves e irreversíveis no regime hidrológico natural dos rios, alterando também a qualidade dos hábitats e a dinâmica de toda a biota. Na região do reservatório, o principal impacto é decorrente da alteração de ambiente lótico para lêntico, que influencia sobremaneira a fauna aquática, inclusive peixes. Esses impactos apresentam variações temporais e espaciais relevantes. Logo após a formação de um reservatório, há aumento da riqueza de espécies de peixes devido à incorporação de diversos hábitats, que tende a diminuir à medida que o reservatório envelhece. Porém, os impactos a jusante de reservatórios parecem ser tão ou mais importantes que os de montante, devido a alterações no ciclo de cheias sazonais (controle de vazão). Estes efeitos são mais relevantes quando os reservatórios são construídos em cascatas. Barragens, então, causam profundas alterações na composição e estrutura das assembléias de peixes. As espécies mais afetadas são as reofílicas e aquelas que desempenham longas migrações e que precisam de diferentes tipos de hábitats para completar seus ciclos de vida. As populações dessas espécies podem, em certas circunstâncias, entrar em colapso ou mesmo desaparecer. As ações de manejo tomadas para minimizar os impactos das barragens historicamente incluem a construção de mecanismos de transposição e a estocagem, mas com resultados questionáveis e/ou claro insucesso na conservação da ictiofauna. Neste trabalho, será dada ênfase à bacia do alto rio Paraná, a mais afetada por represamentos no Brasil. Serão abordados os padrões de alterações e declínio da diversidade de peixes, em áreas influenciadas por barragens, e discutidas as conseqüências negativas sobre a atividade pesqueira e funcionamento do ecossistema. Por fim, o trabalho discute a relevância e sucesso das medidas de manejo realizadas até o momento e apresenta sugestões para aperfeiçoar a gestão e conservação da ictiofauna sul-americana.

Palavras-chave : diversidade de peixes; impactos de reservatórios; manejo; conservação; rio Paraná.

        · resumo em Inglês     · texto em Inglês     · Inglês ( pdf )

 

Creative Commons License Todo o conteúdo deste periódico, exceto onde está identificado, está licenciado sob uma Licença Creative Commons