SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.71 número4Distribuição espacial de Hymenoptera parasitoides em uma reserva florestal na Amazônia Central, Manaus, AM, BrasilFenologia pós-queima em uma área de campo sujo do maciço do Urucum, Mato Grosso do Sul, Brasil índice de autoresíndice de assuntospesquisa de artigos
Home Pagelista alfabética de periódicos  

Serviços Personalizados

Journal

Artigo

Indicadores

Links relacionados

Compartilhar


Brazilian Journal of Biology

versão impressa ISSN 1519-6984

Resumo

ORSOLON-SOUZA, G. et al. Comparação entre extrator de Winkler e armadilha de queda para estimar a riqueza em espécies de formigas (Formicidae) de serapilheira em floresta tropical do sudeste do Brasil. Braz. J. Biol. [online]. 2011, vol.71, n.4, pp.873-880. ISSN 1519-6984.  http://dx.doi.org/10.1590/S1519-69842011000500008.

O objetivo deste estudo foi comparar, em um mesmo ambiente, a eficiência das duas técnicas de coletas mais utilizadas para amostrar a diversidade de formigas, o extrator de Winkler e a armadilha de queda (pitfall traps). Para a comunidade de formigas de serapilheira da Mata Atlântica, comparamos as estimativas de riqueza de gêneros, de espécies e as curvas de acumulação de espécies. Os dois métodos resultaram em uma amostragem de riqueza satisfatória, sendo 21,3 e 47,6% exclusivamente gêneros e espécies coletadas pelo extrator de Winkler e 6,4 e 9,5% pela armadilha de queda. O extrator de Winkler mostrou ser a técnica mais eficiente para amostrar a riqueza de uma área quando apenas uma das técnicas possa ser utilizada. No entanto, o uso da armadilha de queda registrou uma parcela não tão desprezível da riqueza. Quanto à eficiência das técnicas de coleta, as curvas de acumulação de espécies para os duas técnicas mostraram-se similares com a obtida com os dois métodos simultaneamente. Notou-se, portanto, que o extrator de Winkler apresenta uma eficiência de amostragem da riqueza na ordem de 74,0% maior que a armadilha de queda para ambiente de Mata Atlântica. Vale ressaltar que as técnicas de coleta devem estar associadas a um delineamento amostral bem estruturado para que se possa ampliar ainda mais o conhecimento sobre a mirmecofauna dos biomas brasileiros, principalmente daquelas com serapilheira, permitindo análises ambientais mais completas.

Palavras-chave : Mata Atlântica; técnicas de coleta; curva de acumulação de espécies.

        · resumo em Inglês     · texto em Inglês     · Inglês ( pdf )

 

Creative Commons License Todo o conteúdo deste periódico, exceto onde está identificado, está licenciado sob uma Licença Creative Commons