SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.71 número4Limnologia no reservatório de Itaipu: grau de eutrofização e distribuição horizontal de suas variáveis limnológicasAvaliação da qualidade ambiental através da análise da frequência da doença dos pontos pretos em assembléias de peixes, Lago Guaíba, RS, Brasil índice de autoresíndice de assuntospesquisa de artigos
Home Pagelista alfabética de periódicos  

Serviços Personalizados

Journal

Artigo

Indicadores

Links relacionados

Compartilhar


Brazilian Journal of Biology

versão impressa ISSN 1519-6984

Resumo

JANKE, H. et al. Toxicidade aguda de sedimentos eutrofizados (Represa Ibirité, Minas Gerais-SE, Brasil) após adição de nitrato de cálcio: experimentos iniciais de laboratório. Braz. J. Biol. [online]. 2011, vol.71, n.4, pp.903-914. ISSN 1519-6984.  http://dx.doi.org/10.1590/S1519-69842011000500011.

O presente trabalho visou à avaliação da toxicidade aguda da aplicação de solução de nitrato de cálcio, como procedimento para remediação dos sedimentos de um reservatório eutrofizado com vistas à retenção de fósforo. O estudo foi realizado através de microcosmos com sedimento e amostras de interface sedimento-água da Represa Ibirité. A represa, situada na região metropolitana de Belo Horizonte (Minas Gerais, Brasil), é corpo receptor de efluentes tratados de refinaria de petróleo (REGAP-Petrobras), de altas cargas de esgoto sanitário não tratado da cidade de Ibirité e áreas vizinhas, e de efluentes industriais de importante parque industrial. Os tempos de incubação dos experimentos foram: t = 0, t = 5; t = 10; t = 25; t = 50; t = 85; e t = 135 dias. Em cada um deles, foram analisadas amostras de um microcosmo-controle e três microcosmos-tratamento. A Ceriodaphnia silvestrii Daday, 1902 foi o organismo utilizado para avaliação da toxicidade aguda das amostras de água, enquanto que o Chironomus xanthus Rempel, 1939 foi empregado para a avaliação do sedimento integral. Paralelamente aos testes de toxicidade, foram realizadas análises químicas da série nitrogenada (amônia, nitrato e nitrito), sulfato, e metais nas amostras de água. Nos sedimentos foram analisados os sulfetos volatilizáveis por acidificação (SVA), metais extraídos simultaneamente (MES) e metais potencialmente biodisponíveis. Tanto as amostras de água como dos sedimentos totais dos microcosmos-controle não se mostraram tóxicos aos organismos testados. As amostras de água de interface sedimento-água dos micorocosmos-tratamento foram tóxicas para a C. silvestrii desde o tempo t = 10 dias e as amostras de águas intersticiais, desde o período t = 0. No entanto, foi notada uma diminuição da toxicidade do tempo t = 85 para t = 135 dias. Para o organismo C. xanthus, os sedimentos em tratamento se mostraram tóxicos durante todo o experimento, exceto no tempo t = 135 dias. Os resultados mostraram que o nitrato, com concentração superior a 1.200 mg N-NO3- L-1 nas amostras de água intersticial dos sedimentos dos microcosmos-tratamentos, é a causa mais provável da toxicidade das amostras. Embora a tecnologia de adição de nitrato tenha se mostrado eficaz na retenção de fósforo nos sedimentos, pois causa a oxidação dos sedimentos através do incremento substancialmente da taxa de desnitrificaçao, do ponto de vista ecotoxicológico e para as condições experimentais deste trabalho, a aplicação do nitrato como forma de intervenção para remediação dos sedimentos da Represa Ibirité não se mostrou adequada até o período de 135 dias. Após este período, presume-se que os sedimentos tratados possam recuperar a capacidade de sustentar uma comunidade bentônica. Experimentos mais avançados foram planejados, visando um tempo de incubação mais estendido, que, por conseguinte, pode levar a uma maior capacidade de retenção de P e ao abatimento total da toxicidade dos sedimentos e da água, devido a um maior avanço do processo da desnitrificação.

Palavras-chave : tratamento de sedimentos; nitrato de cálcio; toxicidade aguda; Ceriodaphnia silvestrii; Chironomus xanthus.

        · resumo em Inglês     · texto em Inglês     · Inglês ( pdf )

 

Creative Commons License Todo o conteúdo deste periódico, exceto onde está identificado, está licenciado sob uma Licença Creative Commons