SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.72 número1Feeding behavior of the invasive bivalve Limnoperna fortunei (Dunker, 1857) under exposure to toxic cyanobacteria Microcystis aeruginosaBreeding and trade of wildlife in Santa Catarina state, Brazil índice de autoresíndice de materiabúsqueda de artículos
Home Pagelista alfabética de revistas  

Servicios Personalizados

Revista

Articulo

Indicadores

Links relacionados

Compartir


Brazilian Journal of Biology

versión impresa ISSN 1519-6984

Resumen

LAS-CASAS, FMG; AZEVEDO JUNIOR, SM  y  DIAS FILHO, MM. A comunidade de beija-flores (Aves: Trochilidae) e a assembleia de flores em uma área de Caatinga. Braz. J. Biol. [online]. 2012, vol.72, n.1, pp.51-58. ISSN 1519-6984.  http://dx.doi.org/10.1590/S1519-69842012000100006.

Propôs-se estudar os beija-flores e as espécies de plantas utilizadas como recurso alimentar em uma área de caatinga, estudando especificamente a sazonalidade das espécies de beija-flores nesse habitat, os status migratório e não migratório, as suas estratégias de forrageamento e os papéis comunitários. O estudo foi conduzido em uma área de caatinga arbóreo-arbustiva, localizada na Serra do Pará, município de Santa Cruz do Capibaribe, Estado de Pernambuco, no nordeste do Brasil. Os trabalhos de campo foram realizados durante 12 expedições mensais entre junho de 2007 e maio de 2008. Cinco espécies de beija-flores foram registradas visitando flores na comunidade estudada. Três espécies foram consideradas residentes: Chlorostilbon lucidus (Shaw, 1812), Eupetomena macroura (Gmelin, 1788) e Heliomaster squamosus (Temminck, 1823). Os beija-flores visitaram 31 espécies de plantas, das quais apenas cinco apresentaram atributos relacionados à ornitofilia. C. lucidus visitou 29 espécies de plantas, incluindo todas as ornitófilas, assim como também foi a espécie mais agressiva, defendendo territórios. Entre os beija-flores, C. lucidus pode ser considerado como o principal polinizador. Os beija-flores podem estar atuando como vetores de pólen para algumas espécies de plantas não identificadas como ornitófilas. As guildas de beija-flores variaram entre as espécies de plantas utilizadas como recurso floral, assim como nas suas frequências de visitas. Diferenças na abundância das espécies de plantas, na preferência por parte dos beija-flores, na exclusão competitiva ou na sazonalidade de floração são fatores que podem ter influência sobre essas variações.

Palabras clave : caatinga; recursos florais; beija-flor; ornitofilia; polinização.

        · resumen en Inglés     · texto en Inglés     · Inglés ( pdf )     · press release en Inglés

 

Creative Commons License Todo el contenido de esta revista, excepto dónde está identificado, está bajo una Licencia Creative Commons