SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.72 número4Insetivoria em Potamotrygon signata (Chondrichthyes: Potamotrygonidae), uma raia de água doce endêmica da bacia do rio Parnaíba, nordeste do BrasilBiologia de Bemisia tuberculata (Hemiptera: Aleyrodidae) em mandioca índice de autoresíndice de assuntospesquisa de artigos
Home Pagelista alfabética de periódicos  

Serviços Personalizados

Journal

Artigo

Indicadores

Links relacionados

Compartilhar


Brazilian Journal of Biology

versão impressa ISSN 1519-6984

Resumo

SANTOS-FILHO, M.; FRIEIRO-COSTA, F.; IGNACIO, ÁRA.  e  SILVA, MNF.. Uso de habtats por pequenos mamíferos não-voadores no Cerrado do Brasil Central. Braz. J. Biol. [online]. 2012, vol.72, n.4, pp.893-902. ISSN 1519-6984.  http://dx.doi.org/10.1590/S1519-69842012000500016.

Pequenos mamíferos não voadores são organismos que permitem observações precisas sobre diferenças nos aspectos de riqueza, abundância, composição e uso de habitats. Com a finalidade de investigar a existência dessas diferenças entre Cerrado sensu stricto, Mata de Palmeiras Babaçu, Mata de Galeria e Campo Rupestre, realizaram-se, no período de maio de 1999 a fevereiro de 2000, levantamentos de pequenos mamíferos não voadores na Estação Ecológica Serra das Araras. Houve a captura de 218 indivíduos e 62 recapturas, pertencentes a 21 táxons, sendo 13 roedores e 8 marsupiais, em um total de 13.200 armadilhas × noite. O sucesso total de captura foi de 1,7%. A riqueza total de pequenos mamíferos foi maior nas áreas de matas (Mata de Galeria e Mata de Palmeiras Babaçu) do que nas áreas abertas (Campo Rupestre e Cerrado sensu stricto). A Mata de Palmeiras Babaçu foi a que apresentou a maior riqueza de marsupiais, possivelmente em virtude da qualidade de nicho específico. O Campo Rupestre apresentou menor riqueza, porém com abundância relativa muito alta de algumas espécies, principalmente Thrichomys pachyurus e Monodelphis domestica. Habitats florestados apresentaram similaridade em composição de espécies de pequenos mamíferos. Os habitats abertos Cerrado sensu stricto e Campo Rupestre foram distintos quanto à composição de espécies quando comparados entre si e com áreas florestadas. Diferentes espécies são exclusivas ou têm preferência por habitats específicos do mosaico fitofisionômico que forma o bioma Cerrado. A proteção de ambientaes horizontalmente heterogêneos, como é o caso do Cerrado, é de fundamental importância para manter a diversidade regional do centro-oeste brasileiro.

Palavras-chave : Cerrado; Estação Ecológica; Serra das Araras; ecologia de mamíferos.

        · resumo em Inglês     · texto em Inglês     · Inglês ( pdf )

 

Creative Commons License Todo o conteúdo deste periódico, exceto onde está identificado, está licenciado sob uma Licença Creative Commons