SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.75 número1Reproductive ecology of coypu (Myocastor coypus Molina, 1782) in the Middle Delta of the Paraná River, ArgentinaChaco Chachalaca (Ortalis canicollis, Wagler, 1830) feeding ecology in a gallery forest in the South Pantanal (Brazil) índice de autoresíndice de materiabúsqueda de artículos
Home Pagelista alfabética de revistas  

Servicios Personalizados

Revista

Articulo

Indicadores

Links relacionados

Compartir


Brazilian Journal of Biology

versión impresa ISSN 1519-6984

Resumen

RODRIGUES, LC  y  RODRIGUES, M. Recursos florais e habitat influenciam a composição de espécies de beija-flores em escala local em área de montanha tropical. Braz. J. Biol. [online]. 2015, vol.75, n.1, pp.39-48. ISSN 1519-6984.  http://dx.doi.org/10.1590/1519-6984.06913.

Comunidades de beija-flores tendem a responder a variação em recursos, havendo uma relação positiva entre a abundância e diversidade de recurso alimentar com a abundância e/ou diversidade de beija-flores. Neste estudo nós analisamos a influencia da disponibilidade de recurso floral, bem como da sazonalidade e do tipo de habitat na composição de espécies de beija-flores. O estudo foi realizado em dois habitas de montanha do leste do Brasil. Um gradiente representativo da estrutura da comunidade de beija-flores, baseado na composição de espécies, foi obtido através da ordenação das amostras usando o método de escalonamento multidimensional não-métrico. A composição de espécies de beija-flores foi influenciada pelo tipo de habitat e disponibilidade de recurso floral, mas não pela sazonalidade. As comunidades de beija-flores variaram entre os habitas, principalmente devido a abundância relativa das espécies de beija-flores. A variação na composição de espécies de beija-flores com a variação na disponibilidade de recurso floral parece estar relacionada a diferenças nos hábitos alimentares dos beija-flores. Espécies de beija-flores com bicos de comprimentos maiores visitaram maiores proporções de espécies ornitófilas, enquanto beija-flores com bicos de comprimento menores visitaram maiores proporções de espécies não-ornitófilas. Os resultados demonstram que em escala local a composição de espécies de beija-flores é afetada pelo tipo de habitat e a disponibilidade de recurso floral, mas não pela sazonalidade.

Palabras clave : Brasil; beija-flores; campos rupestres; preferência de habitat; sazonalidade; Serra do Cipó.

        · resumen en Inglés     · texto en Inglés     · Inglés ( pdf )