SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.77 número2Defesas das plantas anti-herbivoria em espécies de Fabaceae do ChacoHelmintos do lagarto Salvator merianae (Squamata, Teiidae) na Caatinga, Nordeste do Brasil índice de autoresíndice de assuntospesquisa de artigos
Home Pagelista alfabética de periódicos  

Serviços Personalizados

Journal

Artigo

Indicadores

Links relacionados

Compartilhar


Brazilian Journal of Biology

versão impressa ISSN 1519-6984versão On-line ISSN 1678-4375

Resumo

SILVA, L. D. et al. Alterações no metabolismo energético de Biomphalaria glabrata em resposta ao cálcio exógeno. Braz. J. Biol. [online]. 2017, vol.77, n.2, pp.304-311.  Epub 05-Set-2016. ISSN 1519-6984.  http://dx.doi.org/10.1590/1519-6984.13315.

O cálcio é considerado um elemento essencial no metabolismo do molusco aquático Biomphalaria glabrata (Say, 1818), principal hospedeiro intermediário de Schistosoma mansoni Sambon, 1907 no Brasil e, tem sido descrito como um fator limitante na distribuição e adaptação desse molusco no ambiente. O presente trabalho avaliou o efeito de diferentes concentrações de carbonato de cálcio (CaCO3) exógeno ao metabolismo energético de B. glabrata, a fim de subsidiar uma melhor compreensão da interferência de elementos químicos dissolvidos no meio aquático na fisiologia destes moluscos. Foram utilizados moluscos com sessenta dias de vida, distribuídos em seis grupos, cinco expostos a diferentes concentrações de CaCO3 (20, 40, 60, 80 e 100mg/L) e um controle. A exposição ao CaCO3 foi avaliada em função do tempo, sendo retirados 15 moluscos de cada grupo nos seguintes intervalos: 1, 14, 21 ou 30 dias para extração da hemolinfa. As concentrações de cálcio e glicose na hemolinfa foram determinadas usando-se kits comercial e os ácidos orgânicos foram extraídos por meio da coluna de troca iônica e analisados através cromatografia líquida de alta eficiência. Os resultados demonstraram que a concentração de cálcio na hemolinfa não apresentou diferença significativa (p>0,05) em relação ao controle e nas concentrações testadas. A concentração de glicose diminuiu (p<0,05) nas exposições a 20 mg e 40 mg/L e aumentou nas exposições a 80 mg e 100 mg/L de CaCO3 em relação ao controle e demais concentrações testadas ao longo de 30 dias. Os ácidos orgânicos piruvato, oxaloaceato, citrato, succinato, fumarato, β-hidroxibutirato e lactato tiveram suas concentrações aumentadas, enqunato, propionato e acetoacetato tiveram suas concentrações diminuídas na exposição ao CaCO3 comparada ao controle. Quanto a influência dos diferentes períodos de exposição ao CaCO3, aos 14 dias, as alterações no metabolismo de B. glabrata foram mais expressivas. Conclui-se que as exposições ao CaCO3 influenciaram na redução de glicose, sendo esta metabolizada a piruvato, produto final da glicólise e alteraram as vias de metabolismo energético, indicando um funcionamento aeróbio ou parcialmente anaeróbio.

Palavras-chave : moluscos; ciclo de Krebs; exposição ao CaCO3; metabolismo energético.

        · resumo em Inglês     · texto em Inglês     · Inglês ( pdf )