SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.77 número4Potential distribution and conservation of the Colobosauroides carvalhoi Soares and Caramaschi, 1998: a rare and endemic lizard of Northeast BrazilPhytophagy of the predator Podisus nigrispinus (Dallas, 1851) (Hemiptera: Pentatomidae) fed on prey and Brassicaceae índice de autoresíndice de materiabúsqueda de artículos
Home Pagelista alfabética de revistas  

Servicios Personalizados

Revista

Articulo

Indicadores

Links relacionados

Compartir


Brazilian Journal of Biology

versión impresa ISSN 1519-6984versión On-line ISSN 1678-4375

Resumen

SALBEGO, J. et al. Parâmetros bioquímicos do jundiá (Rhamdia quelen) após transporte com eugenol ou óleo essencial de Lippia alba adicionado à água. Braz. J. Biol. [online]. 2017, vol.77, n.4, pp.696-702.  Epub 04-Mayo-2017. ISSN 1519-6984.  http://dx.doi.org/10.1590/1519-6984.16515.

O transporte de peixes vivos é uma prática rotineira na aquicultura e constitui uma fonte considerável de estresse para os animais. A adição de anestésicos na água utilizada para o transporte de peixes pode prevenir ou mitigar os efeitos nocivos do estresse de transporte. Este estudo investigou os efeitos da adição de eugenol (EUG) (1,5 ou 3,0 mL L–1) e óleo essencial de Lippia alba (OEL) (10 ou 20 mL L–1) em parâmetros metabólicos (níveis de glicogênio, lactato e proteína total) no fígado e músculos, a atividade da acetilcolinesterase (AChE) no músculo e no cérebro, e os níveis de proteína carbonil (PC), ácido tiobarbitúrico (TBARS) e grupos tióis não proteicos (NPSH) e atividade da glutationa-S-transferase no fígado de jundiás (Rhamdia quelen; Quoy e Gaimard, 1824) transportados por quatro horas em sacos plásticos (densidade de carga de 169,2 g L–1). A adição de várias concentrações de EUG (1,5 ou 3,0 mL L–1) e OEL (10 ou 20 mL L–1) na água de transporte é aconselhável para o transporte do jundiá, uma vez que ambas concentrações destas substâncias aumentaram os níveis do antioxidante NPSH e diminuíram os níveis de TBARS no fígado. Além disso, os níveis mais baixos de glicogénio e lactato no fígado destes grupos e menor atividade de AChE no cérebro (EOL 10 ou 20 mL L–1) em comparação com o grupo controle indicam que o metabolismo energético e neurotransmissão foram menores após a administração dos anestésicos, contribuindo para a manutenção do estado de homeostase e sedação.

Palabras clave : anestésico; metabolismo; estresse; transporte de peixes.

        · resumen en Inglés     · texto en Inglés     · Inglés ( pdf )