SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.77 número4First record of acerola weevil, Anthonomus tomentosus (Faust, 1894) (Coleoptera: Curculionidae), in BrazilDistribution and abundance of freshwater decapods in an Atlantic rainforest catchment with a dammed future índice de autoresíndice de materiabúsqueda de artículos
Home Pagelista alfabética de revistas  

Servicios Personalizados

Revista

Articulo

Indicadores

Links relacionados

Compartir


Brazilian Journal of Biology

versión impresa ISSN 1519-6984versión On-line ISSN 1678-4375

Resumen

COELHO, C. P.; GOMES, D. C.; GUILHERME, F. A. G.  y  SOUZA, L. F.. Biologia reprodutiva da endêmica Solanum melissarum Bohs (Solanaceae) e atualização da distribuição geográfica atual, como base para a sua conservação no Cerrado Brasileiro. Braz. J. Biol. [online]. 2017, vol.77, n.4, pp.809-819.  Epub 04-Mayo-2017. ISSN 1519-6984.  http://dx.doi.org/10.1590/1519-6984.01516.

O gênero Solanum (família Solanaceae) inclui mais de 1400 espécies e apresenta polinização vibrátil e flores com anteras poricidas. O estudo tem o objetivo de descrever a distribuição, sistema reprodutivo e o mecanismo de polinização de Solanum melissarum, uma espécie endêmica do Brasil. O estudo da biologia reprodutiva foi conduzido em um fragmento florestal urbano em Jataí, GO. As informações de distribuição foram obtidas através de trabalhos florísticos e de banco de dados digitais de plantas. A morfologia floral e o mecanismo de polinização foram estudados através de observações diretas em campo e em flores preservadas. O sistema reprodutivo foi determinado a partir de tratamentos de polinização manual. A espécie apresentava distribuição somente na Mata Atlântica litorânea brasileira, e este estudo demonstrou o primeiro registro de S. melissarum para o estado de Goiás. As flores são pendentes e com anteras poricidas próximas ao estigma, com tecas membranosas envoltas por um conectivo giboso com osmóforos que atraem machos da abelha Euglossa cordata. Na coleta de fragrâncias, as abelhas pressionam as tecas e o polén é liberado por um mecanismo de fole. Baseado nos tratamentos de polinização manual, a espécie é autoincompatível. Fragmentos florestais isolados podem não incluir polinizadores suficientes para garantir a polinização das plantas com sistemas especializados, no entanto, eles são essenciais para a conservação de espécies com padrões fitogeográficos interessantes, como o vicariância observada em S. melissarum, e também para a conservação da diversidade regional.

Palabras clave : mecanismo de fole; Euglossa cordata; osmóforos; autoincompatibilidade; coleta de fragrâncias.

        · resumen en Inglés     · texto en Inglés     · Inglés ( pdf )