SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.77 número4“In vitro” evaluation of the bacterivore potential of three Cladoceran species occurring in tropical and subtropical regionsOrthotopic tumorgrafts in nude mice as a model to evaluate calcitriol effects in breast cancer índice de autoresíndice de materiabúsqueda de artículos
Home Pagelista alfabética de revistas  

Servicios Personalizados

Revista

Articulo

Indicadores

Links relacionados

Compartir


Brazilian Journal of Biology

versión impresa ISSN 1519-6984versión On-line ISSN 1678-4375

Resumen

BURIAN, J. P.; SACRAMENTO, L. V. S.  y  CARLOS, I. Z.. Controle da infecção fúngica pelos extratos de alho (Allium sativum L.) e modulação da atividade de macrófagos peritoneais em modelo murino de esporotricose. Braz. J. Biol. [online]. 2017, vol.77, n.4, pp.848-855.  Epub 04-Mayo-2017. ISSN 1519-6984.  http://dx.doi.org/10.1590/1519-6984.03716.

O alho (Allium sativum L.) é cultivado em todo o mundo como hortaliça condimentar e medicinal desde 3.000 a. C. A alicina é o principal componente do alho, sendo atribuída a ela a maior parte das suas atividades biológicas, dentre elas as ações bactericida, antifúngica e antiviral. Porém, outros compostos do alho apresentam atividade antioxidante, hipocolesterolemiante, vasodilatadora, ação protetora contra diversos tipos de câncer e imunomoduladora. As infecções por fungos são causas importantes de morbidade e mortalidade no homem principalmente em indivíduos imunossuprimidos. O Sporothrix schenckii, agente causal da esporotricose (micose subcutânea mais comum na América Latina), é fungo dimórfico, de vida saprofítica no solo ou em vegetais, infectando homens e os animais principalmente através de lesões e arranhões na pele. O objetivo desse trabalho foi avaliar a influência do consumo de alho na imunomodulação de camundongos Swiss saudáveis e infectados de forma induzida por S. schenckii, a partir do estado funcional dos macrófagos peritoneais desses animais quanto à produção de óxido nítrico e das citocinas (IL-1β, IL-10 e IL-12) e avaliar o potencial antifúngico do alho frente ao S. schenckii por meio de teste de concentração inibitória mínima e unidades formadoras de colônia. Os resultados demonstraram que o alho apresenta potencial antifúngico frente S. schenckii. A administração oral de extratos de alho influencia a liberação de citocinas por macrófagos, o consumo regular apresenta efeito anti-inflamatório, e seu uso agudo pode gerar uma resposta inflamatória. Camundongos que consumiram alho responderam de forma mais efetiva no combate da infecção.

Palabras clave : alho; macrófago; Sporothrix schenckii; esporotricose; interleucina.

        · resumen en Inglés     · texto en Inglés     · Inglés ( pdf )