SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.16 número3Ictiofauna de riachos da bacia do baixo rio Iguaçu, estado do Paraná, BrasilBiologia e descrição dos estágios imaturos de Gymnetis rufilateris (Illiger, 1800) (Coleoptera: Cetoniidae: Cetoniinae) índice de autoresíndice de assuntospesquisa de artigos
Home Pagelista alfabética de periódicos  

Serviços Personalizados

Journal

Artigo

Indicadores

Links relacionados

Compartilhar


Biota Neotropica

versão On-line ISSN 1676-0611

Resumo

PASTRO, Gabriela; DIAS, Gustavo Muniz  e  GIBRAN, Fernando Zaniolo. Estrutura e composição das assembleias de peixes de poças de marés do Canal de São Sebastião, Atlântico sudoeste. Biota Neotrop. [online]. 2016, vol.16, n.3, e20150128.  Epub 22-Ago-2016. ISSN 1676-0611.  https://doi.org/10.1590/1676-0611-BN-2015-0128.

Organismos que habitam poças na zona entre marés estão sujeitos a mudanças diárias e abruptas na temperatura, oxigênio dissolvido, pH e salinidade durante os ciclos das marés. Por isso, as assembleias de peixes dessas poças são geralmente bem distintas daquelas das áreas adjacentes, do infralitoral, apresentando espécies residentes com adaptações morfológicas e ecológicas para lidar com tal ambiente variável. Neste estudo, descrevemos e comparamos as condições ambientais e a diversidade e composição da ictiofauna de quatro poças de marés verdadeiras na margem continental do Canal de São Sebastião, São Sebastião (23º41'-23º54'S; 45º19'-45º30'W), sudeste do Brasil. Mensalmente, de janeiro a dezembro de 2011, amostramos quatro poças (12 amostras por poça), aplicando um protocolo padrão para registrar as variáveis ambientais, e censos visuais para registrar a abundância, riqueza e composição da assembleia de peixes. Dados abióticos e da ictiofauna foram comparados entre poças de maré e períodos do ano (quente e frio) usando análises de variância univariadas e multivariadas. As poças de marés diferiram uma das outras principalmente em área, volume e complexidade do substrato. Observamos 13 espécies de peixes (10 famílias) pertencentes a cinco guildas tróficas (herbívoros vágeis, herbívoros territoriais, invertívoros, onívoros e carnívoros). A densidade e riqueza de peixes foram praticamente constantes ao longo do período estudado, exceto pela redução na densidade de peixes observada na poça da Praia de São Francisco durante o período frio. Entretanto, as assembleias das quatro poças de maré diferiram uma das outras quanto à composição e abundância relativa das espécies, resultando em quatro poças com diferentes estruturas de assembleias. O amboré Bathygobius soporator foi a espécie dominante na maioria das localidades, correspondendo a 66% de todos os peixes registrados. A poça da Ponta do Baleeiro apresentou tamanho intermediário, mas esteve coberta por uma complexa comunidade de algas e abrigou a assembleia de peixes mais diversa nesse estudo, sugerindo que a complexidade de habitat pode contribuir para a diversidade de peixes.

Palavras-chave : peixes subtropicas; entremarés; fatores ambientais; riqueza de espécies; sudeste do Brasil.

        · resumo em Inglês     · texto em Inglês     · Inglês ( pdf )