SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.39 número3Alterações no metabolismo da homocisteína induzidas por aguardente de cana-de-açúcar em alcoólatras índice de autoresíndice de assuntospesquisa de artigos
Home Pagelista alfabética de periódicos  

Serviços Personalizados

Journal

Artigo

Indicadores

Links relacionados

Compartilhar


Jornal Brasileiro de Patologia e Medicina Laboratorial

versão impressa ISSN 1676-2444versão On-line ISSN 1678-4774

Resumo

DUSSE, Luci Maria Sant'Ana; VIEIRA, Lauro Mello  e  CARVALHO, Maria das Graças. Avaliação do dímero D (D-Di) na doença hipertensiva específica da gravidez (DHEG). J. Bras. Patol. Med. Lab. [online]. 2003, vol.39, n.3, pp.199-202. ISSN 1678-4774.  http://dx.doi.org/10.1590/S1676-24442003000300003.

A doença hipertensiva específica da gravidez (DHEG), na sua forma pura, caracteriza-se pelo aparecimento, em grávida normotensa, após a vigésima semana de gestação, da tríade sintomática: hipertensão, proteinúria e edema. A DHEG está associada a vasoconstrição generalizada, anormalidades da coagulação e deposição de fibrina na microcirculação da placenta. A fibrina compromete a perfusão adequada da placenta, contribuindo para a prematuridade, o baixo peso fetal e a mortalidade neonatal. Os dímeros D (D-Di) constituem os menores fragmentos dos produtos de degradação da fibrina (pdf) e são produzidos após a lise, pela plasmina, da ligação cruzada da fibrina. Níveis plasmáticos aumentados de D-Di indicam tanto uma exacerbação da formação de fibrina como um aumento da ação da plasmina. O presente trabalho teve por objetivo avaliar e comparar os níveis plasmáticos de D-Di, obtido por Elisa (Stago) em gestantes-controle (n = 26), gestantes com DHEG nas formas leve e moderada (n = 23) e gestantes com DHEG na forma grave (n = 20), visando a investigar a possível utilização desse marcador laboratorial para diagnóstico e/ou prognóstico da doença. As médias e os desvios padrões obtidos para os três grupos avaliados foram 1.146,6 ± 311,2; 1.060,3 ± 259,2 e 1.497,8 ± 435,3ng/ml, respectivamente. A análise estatística das médias dos resultados obtidos revelou um aumento significativo de D-Di plasmático no grupo com DHEG grave, comparando-se aos grupos com DHEG leve/moderada (p < 0,001) e grupo-controle (p < 0,01). Considerando-se os resultados obtidos, pode-se sugerir que há uma exacerbação da coagulação na forma grave da DHEG e que o sistema fibrinolítico está atuante buscando remover a excessiva quantidade de fibrina formada. O D-Di constitui uma potencial ferramenta para se avaliar a gravidade da doença.

Palavras-chave : Doença hipertensiva; específica da gravidez; Dímero D.

        · resumo em Inglês     · texto em Português     · Português ( pdf )

 

Creative Commons License Todo o conteúdo deste periódico, exceto onde está identificado, está licenciado sob uma Licença Creative Commons