SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.48 número6Avaliação de resposta patológica em câncer de mama após quimioterapia neoadjuvante: padronização de protocolo adaptadoTumor misto de células musculares lisas e do estroma endometrial uterino: relato de caso índice de autoresíndice de assuntospesquisa de artigos
Home Pagelista alfabética de periódicos  

Serviços Personalizados

Journal

Artigo

Indicadores

Links relacionados

Compartilhar


Jornal Brasileiro de Patologia e Medicina Laboratorial

versão impressa ISSN 1676-2444

Resumo

PAIVA, Marcos Antonio Farias de et al. Associação entre displasia e inflamação em queilite actínica. J. Bras. Patol. Med. Lab. [online]. 2012, vol.48, n.6, pp.455-458. ISSN 1676-2444.  http://dx.doi.org/10.1590/S1676-24442012000600011.

INTRODUÇÃO: A queilite actínica pode se transformar em carcinoma espinocelular e há indícios de que componentes inflamatórios participam do processo de malignização, o que ressalta a importância de estudos envolvendo a presença de atipia celular e inflamação crônica nessa lesão. OBJETIVO: Avaliar histologicamente lesões de queilite actínica considerando os graus de displasia epitelial, intensidade do infiltrado inflamatório e possível correlação entre as variáveis. MATERIAL E MÉTODO: Foram selecionados 45 blocos parafinados de lesões com diagnóstico clínico e histopatológico de queilite actínica e com condições para reavaliação histopatológica. Foi realizada análise histopatológica e classificação da displasia e do infiltrado inflamatório em grau leve, moderado ou grave. Os dados foram analisados por estatística descritiva e aplicou-se o teste quiquadrado e análise de variância (ANOVA), considerando p < 0,05. RESULTADOS: Dos casos de queilite actínica, 59,5% (27) apresentavam algum grau de displasia, sendo 40% (18) displasia leve, 11,1% (5) moderada e 8,4% (4) grave. O carcinoma espinocelular ocorreu em 20% (9) dos espécimes. Todos os casos apresentaram algum grau de inflamação; 48,9% (22) eram infiltrado inflamatório leve, 20% (9), moderado e 31,1% (14), intenso. Houve associação estatisticamente significante entre o grau de displasia e a intensidade do infiltrado inflamatório, com p = 0,000 ANOVA e p = 0,004 quiquadrado. CONCLUSÃO: Os resultados indicam que a ocorrência de displasia e carcinoma espinocelular são frequentes na queilite actínica, e o processo inflamatório apresenta estreita relação com a progressão do agravamento da atipia epitelial.

Palavras-chave : Queilite; Inflamação; Câncer bucal.

        · resumo em Inglês     · texto em Português     · Português ( pdf )

 

Creative Commons License Todo o conteúdo deste periódico, exceto onde está identificado, está licenciado sob uma Licença Creative Commons