SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.15 issue3Quality of life and occupational performance of patients subjected to epilepsy surgeryCross-cultural adaptation of the neurobehavior inventory (NBI) for Brazil author indexsubject indexarticles search
Home Pagealphabetic serial listing  

Services on Demand

Journal

Article

Indicators

Related links

Share


Journal of Epilepsy and Clinical Neurophysiology

Print version ISSN 1676-2649On-line version ISSN 1980-5365

Abstract

FERNANDES, Paula T.; NORONHA, Ana Lúcia A.; HANSEN, José Roberto  and  LI, Li M.. Percepção e atitudes sobre a epilepsia: ponto de vista dos profissionais de saúde do Serviço de Atendimento Móvel de Urgência em Campinas. J. epilepsy clin. neurophysiol. [online]. 2009, vol.15, n.3, pp.119-122. ISSN 1676-2649.  http://dx.doi.org/10.1590/S1676-26492009000300005.

INTRODUÇÃO: Epilepsia é uma condição muito comum em nossa sociedade, mas infelizmente ainda convive com lacunas no conhecimento, contribuindo para dificuldades no ajustamento psicossocial da pessoa com epilepsia. OBJETIVO: avaliar a percepção e as atitudes dos profissionais de saúde do SAMU-192 sobre a epilepsia. MATERIAL E MÉTODOS: este estudo foi realizado com profissionais que trabalham no SAMU-192 durante o VII Workshop AVC - Campinas realizado em novembro de 2007, no qual os participantes responderam a um questionário estruturado sobre epilepsia. RESULTADOS: Cento e quarenta e nove (149) pessoas responderam ao questionário (49,6% do sexo feminino e idade média de 37 anos - IC=21-59 anos). Quanto às especialidades temos 90 (60,4%) de profissionais de saúde em geral (enfermeiros, técnicos de enfermagem, dentistas), seis (4,0%) de médicos e 53 (35,6%) de outras profissões técnicas (auxiliares de secretaria, motoristas). No geral, a maioria das pessoas tem um conhecimento adequado sobre epilepsia. Porém, algumas crenças ainda estão presentes. No que se refere à percepção, idéias erradas apareceram, como epilepsia é uma doença contagiosa, pessoas com epilepsia não podem praticar esportes ou trabalhar. Além disso, dúvidas referentes à gestação e ao tratamento da epilepsia também foram observadas. Com relação às atitudes durante uma crise epiléptica, apareceram: colocar algum objeto na boca do paciente, restringir movimentos do paciente ou dar álcool para a pessoa cheirar para poder interromper a crise. CONCLUSÃO: Neste contexto, são necessários programas de treinamento continuado para profissionais da área da saúde para melhorar a percepção e as atitudes perante esta condição, tirando assim a epilepsia das sombras.

Keywords : cuidado à epilepsia; serviço médico; profissionais da saúde; educação; atenção básica à saúde.

        · abstract in English     · text in English     · English ( pdf epdf )

 

Creative Commons License All the contents of this journal, except where otherwise noted, is licensed under a Creative Commons Attribution License