SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.6 número2Estudo anatômico das válvulas do tronco gastrocnêmio em cadáveres humanosEletroestimulação muscular: alternativa de tratamento coadjuvante para pacientes com doença arterial obstrutiva periférica índice de autoresíndice de assuntospesquisa de artigos
Home Pagelista alfabética de periódicos  

Serviços Personalizados

Journal

Artigo

Indicadores

Links relacionados

Compartilhar


Jornal Vascular Brasileiro

versão impressa ISSN 1677-5449versão On-line ISSN 1677-7301

Resumo

BELCZAK, Cleusa Ema Quilici et al. Relação entre a mobilidade da articulação talocrural e a úlcera venosa. J. vasc. bras. [online]. 2007, vol.6, n.2, pp.149-155. ISSN 1677-5449.  http://dx.doi.org/10.1590/S1677-54492007000200009.

CONTEXTO: O presente estudo avalia a mobilidade da articulação  talocrural nos seis estágios  clínicos da  classificação CEAP (clínica, etiológica, anatômica e  patofisiológica do International Consensus Committee Reporting Standards on Venous Disease) para doença venosa  utilizando a goniometria, e detecta  redução da mobilidade articular nos estágios mais avançados da doença, C5 e C6 (úlcera cicatrizada ou ativa). OBJETIVO: Investigar a existência de uma relação entre a severidade clínica da doença venosa crônica dos membros inferiores e a diminuição do grau de mobilidade da articulação talocrural. MÉTODO: Selecionaram-se aleatoriamente 120 membros pertencentes a 88 pacientes brancas, que foram separados com base em sua apresentação clínica de acordo com a categoria C da classificação CEAP, sendo distribuídos em 6 grupos pertencentes às categorias de C0-C1 (grupo controle) até C6, com 20 membros cada um e médias de idade próximas para cada grupo. O grau de mobilidade do tornozelo foi acessado por goniometria de apoio plantar em posição de decúbito supino. RESULTADOS: Os grupos C de CEAP apresentam diferença significativa em relação ao grau de mobilidade da articulação talocrural medida por goniometria (p < 0,001). C6 difere significativamente dos demais grupos (p < 0,05); C5 difere significativamente de C6, C3, C2 e C0-C1 (p < 0,05), mas não apresenta diferença significativa do grupo C4; C4 difere significativamente do grupo C6 (p < 0,05) e não difere dos demais grupos; C0-C1, C2 e C3 não apresentam diferença significativa entre si e em relação a C4, e diferem dos grupos C5 e C6 (p < 0,05). O nível de significância utilizado para os testes foi de 5%. CONCLUSÃO: Existe relação entre a severidade clínica da insuficiência venosa crônica dos membros inferiores e a diminuição do grau de mobilidade da articulação talocrural, e ela se faz mais evidente na presença de úlcera venosa ativa ou cicatrizada.

Palavras-chave : Insuficiência venosa; articulação talocrural; úlcera venosa.

        · resumo em Inglês     · texto em Português | Inglês     · Português ( pdf )

 

Creative Commons License Todo o conteúdo deste periódico, exceto onde está identificado, está licenciado sob uma Licença Creative Commons