SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.9 número3Utilização da safena magna in situ para arterialização do arco venoso do péAcesso venoso trans-hepático percutâneo para hemodiálise: uma alternativa para pacientes portadores de insuficiência renal crônica índice de autoresíndice de assuntospesquisa de artigos
Home Pagelista alfabética de periódicos  

Serviços Personalizados

Journal

Artigo

Indicadores

Links relacionados

Compartilhar


Jornal Vascular Brasileiro

versão impressa ISSN 1677-5449

Resumo

DINIZ, Juliana Nogueira  e  PIRES, Regina Coeli Cançado Peixoto. Percepção da doença arterial obstrutiva periférica por pacientes classe I ou II de Fontaine de um Programa de Saúde da Família. J. vasc. bras. [online]. 2010, vol.9, n.3, pp.124-130. ISSN 1677-5449.  http://dx.doi.org/10.1590/S1677-54492010000300005.

CONTEXTO: A doença arterial obstrutiva periférica (DAOP) se destaca por deteriorar a qualidade de vida dos pacientes, quando associada a elevado risco de eventos cardiovasculares e cerebrovasculares. O diagnóstico clínico é sensível e específico, por meio do índice tornozelo-braquial (ITB), que, se precocemente detectado, otimiza o controle dos fatores de risco. OBJETIVO: Avaliar a percepção da DAOP em pacientes classe I ou II de Fontaine assistidos pela Estratégia de Saúde da Família em Pará de Minas (MG), analisando características socioeconômicas e determinantes da qualidade de vida. MÉTODOS: Após cálculo amostral estratificado por gênero e idade, um questionário elaborado para o estudo foi respondido por 123 indivíduos com diagnóstico de DAOP classe I ou II de Fontaine. Para as associações, utilizaram-se testes do c2 e exato de Fisher (p<0,05). RESULTADOS: Dos indivíduos que responderam o questionário, 96 (78%) eram do gênero feminino e tinham baixa escolaridade. Observou-se associação entre claudicação intermitente, o sintoma mais frequente da doença, e aperto nas pernas, câimbras, adormecimento dos pés, cansaço, inchaço e agulhadas. Não houve associação com tabagismo, hipertensão arterial sistêmica, diabetes e alteração do colesterol. Dos participantes, 76 (61,8%) nunca ouviram falar da doença, apesar de serem portadores. Dor durante execução de tarefas dentro e fora de casa foi relatada por 48 (39%) indivíduos. A prática de atividade física foi mais recomendada por médico clínico geral - mencionada por 18 (14,6%) indivíduos - sendo que a caminhada, única atividade praticada em níveis recomendados, foi relatada por 102 (27,7%). CONCLUSÃO: É necessário esclarecimento para essa população quanto ao tratamento clínico não-farmacológico para controle das manifestações crônicas irreversíveis. Ressalta-se a relevância da veiculação de informações sobre a evolução silenciosa e sintomatologia da doença.

Palavras-chave : arteriosclerose obliterante; claudicação intermitente; qualidade de vida.

        · resumo em Inglês     · texto em Português | Inglês     · Português ( pdf ) | Inglês ( pdf )

 

Creative Commons License Todo o conteúdo deste periódico, exceto onde está identificado, está licenciado sob uma Licença Creative Commons